Economia Governo quer estimular natalidade com equilíbrio laboral e imigração

Governo quer estimular natalidade com equilíbrio laboral e imigração

Vieira da Silva critica a “cultura dominante de que quem sai à hora é mau trabalhador” e admitiu o reforço do investimento na rede de creches nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto.
Governo quer estimular natalidade com equilíbrio laboral e imigração
Lusa
António Larguesa 07 de setembro de 2018 às 18:44

O ministro do Trabalho apontou esta sexta-feira, 7 de Setembro, as cinco prioridades a seguir nas políticas públicas de promoção da natalidade, que ajudem a reduzir a diferença mostrada pelas estatísticas entre o número de filhos que os portugueses desejam ter e os que efectivamente acabam por nascer.

 

No topo das prioridades elencadas por Vieira da Silva está a estabilização das relações laborais, sobretudo numa fase em que "há emprego e a economia ajuda". "Num quadro de criação de emprego como vivemos, essa estabilização e a diminuição da precariedade são factores decisivos para políticas mais eficazes", completou.

 

No encerramento de uma conferência organizada pelo Conselho Económico e Social (CES), o governante valorizou também a "cultura da igualdade e da partilha", tanto no quadro familiar como no local de trabalho; os apoios logo na primeira infância e que podem influenciar a decisão de ter mais filhos; e a abertura à imigração, frisando mesmo que "não é possível corrigir estas tendências sem uma política ponderada e séria" na atracção de estrangeiros.

 

Outras das prioridades do Executivo socialista são aquilo que designou como "investimentos muito focados e selectivos", sobretudo em "zonas de desequilíbrio mais intensos", até atendendo às diferenças territoriais existentes. E deu mesmo o exemplo dos equipamentos sociais, como as creches, em que a taxa de cobertura é substancialmente mais reduzida nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto.

 

Nesta conferência realizada no Porto e em que também participou Marcelo Rebelo de Sousa, o ministro do Trabalho apontou ainda o dedo à "ditadura das escolhas sociais anti-natalistas". "Na generalidade das empresas, o trabalhador bem apreciado é o que fica para lá da hora. Há essa cultura dominante de que quem sai à hora é mau trabalhador. Essa é uma questão de cultura e não de leis", acrescentou.

 

Antes de deixar o apelo final aos parceiros sociais para se entenderem à volta destes temas, Vieira da Silva descreveu os instrumentos que podem ajudar à recuperação mais acentuada da taxa de natalidade, citando aí as políticas à volta da conciliação laboral, a política de rendimentos, a "igualdade como política natalista" e ainda aquilo que descreveu como a "socialização da natalidade", ajudando a substituir o papel da "velha família" por uma intervenção social organizada, incluindo na rede de equipamentos à disposição dos pais.




pub