Economia Governo quer fechar discussão sobre salário mínimo a 5 de Dezembro

Governo quer fechar discussão sobre salário mínimo a 5 de Dezembro

O ministro do Trabalho não apresentou esta sexta-feira qualquer proposta de aumento do salário mínimo na concertação social, mas disse esperar que a discussão com os parceiros fique fechada na próxima reunião, dia 5 de Dezembro.
Governo quer fechar discussão sobre salário mínimo a 5 de Dezembro
Lusa 24 de novembro de 2017 às 21:00

Vieira da Silva (na foto), que falava aos jornalistas à saída da concertação social, sublinhou que o valor de 580 euros que consta no programa do Governo "é uma indicação" e admitiu que na negociação "pode-se sempre ir além dos valores".

 

"O que está no programa do Governo é uma indicação que aliás tinha uma dimensão mais obrigatória até ao ano passado e o objectivo que existe agora é atingir os 600 euros até final da legislatura", sublinhou o ministro.

 

Actualmente, o valor do salário mínimo é de 557 euros.

 

Recusando a crítica da Confederação do Comércio e Serviços (CCP) que considerou que o anterior acordo da concertação social de Janeiro foi um "fracasso total", o governante admitiu "algumas dificuldades", mas defendeu que o anterior acordo com os parceiros "foi cumprido porque o objectivo era apoiar o desenvolvimento da economia".

 

"O balanço global de se ter dito, para dentro e para fora do país, que os parceiros estavam de acordo [sobre o aumento do salário mínimo em 2017] foi um ganho muito importante para o país", destacou Vieira da Silva, lembrando que há uns anos o debate sobre o tema "era muito mais crispado".

 

O ministro disse ainda acreditar que não será necessário um novo acordo entre os parceiros sociais este ano, mas apenas uma actualização, já que o anterior, assinado em Janeiro, "foi para ter uma vigência plurianual".

 

Um dos pontos por cumprir no acordo de Janeiro tem a ver com os contratos de prestação de serviços que acordaram com o Estado preços antes da actualização do salário mínimo, uma matéria que o Governo "está a trabalhar".

 

Sobre as contrapartidas pedidas pela CIP - Confederação Empresarial de Portugal, que pediu redução dos custos de contexto e mais verbas para formação profissional, Vieira da Silva respondeu que o Orçamento do Estado já contempla medidas nesse sentido e que há uma alteração na política energética no sentido de "inverter custos para as empresas e para as famílias".

 

As confederações patronais não avançaram com valores para o salário mínimo, defendendo que a actualização terá de ter em conta a produtividade, a inflação e o crescimento da economia.

 

Do lado das centrais sindicais, a CGTP insistiu nos 600 euros a partir de Janeiro e a UGT exigiu 585 euros como ponto de partida para a negociação.

 

Além do salário mínimo, esteve em discussão o Fundo de Compensação do Trabalho (FCT), que serve para pagar parte das compensações por despedimento, e para o qual as empresas descontam globalmente 1% por mês.

 

O presidente da CIP, António Saraiva, defendeu que o acordo de Janeiro estabelecia alterações ao FCT e que essa questão não foi cumprida em 2017. Segundo afirmou, as empresas têm um esforço mensal de 7 milhões de euros com o fundo e pediu um "alívio" ao abrigo do acordo, recusando que essa exigência seja uma contrapartida ao aumento do salário mínimo no próximo ano.

 

Porém, o ministro indicou que o fundo "não é público", embora seja gerido pelo Estado, e que a ideia que saiu da reunião com os parceiros vai no sentido de "tornar o fundo mais amigo das empresas", reduzindo a burocracia.

 

Por sua vez, o líder da CGTP, Arménio Carlos, propôs que uma percentagem do fundo - que terá cerca de 150 milhões de euros líquidos - deverá ser canalizada para o Fundo de Garantia Salarial, que serve para pagar salários em atraso a trabalhadores de empresas insolventes.




A sua opinião293
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

VIVA SOCIALISMO EM LIBERDADE DO 25 NOVEMBRO

HOJE DIA SOCIALISMO DEMOCRATICO DO SOARES GANHOU EM PORTUGAL E
E GRANDE VITORIA DO CUNHAL EM ANGOLA

Anónimo Há 2 semanas

I apologize for off-topic, I'm considering about creating an informative website for kids. Will possibly begin with publishing interesting facts such as"Giraffes and rats can last longer without water than camels."Please let me know if you know where I can find some related information such as righ

Anónimo Há 2 semanas

my apologies, if not on the topic. I had a bit perturbation. I unawares lost my essay and I urgently desire to write a brand new one particular. I can not create with my own strength, so I wanted to apply for the writing service for dollars. Identified just a few web content about this, but I don't

Anónimo Há 2 semanas

Sorry for off-topic, I'm considering about making an instructive web site for young students. May probably begin with publishing interesting facts like"US Dollar bills are made out of cotton and linen."Please let me know if you know where I can find some related info like here

https://magnifyin

ver mais comentários
pub