Economia Governo quer fechar discussão sobre salário mínimo a 5 de Dezembro

Governo quer fechar discussão sobre salário mínimo a 5 de Dezembro

O ministro do Trabalho não apresentou esta sexta-feira qualquer proposta de aumento do salário mínimo na concertação social, mas disse esperar que a discussão com os parceiros fique fechada na próxima reunião, dia 5 de Dezembro.
Governo quer fechar discussão sobre salário mínimo a 5 de Dezembro
Lusa 24 de novembro de 2017 às 21:00

Vieira da Silva (na foto), que falava aos jornalistas à saída da concertação social, sublinhou que o valor de 580 euros que consta no programa do Governo "é uma indicação" e admitiu que na negociação "pode-se sempre ir além dos valores".

 

"O que está no programa do Governo é uma indicação que aliás tinha uma dimensão mais obrigatória até ao ano passado e o objectivo que existe agora é atingir os 600 euros até final da legislatura", sublinhou o ministro.

 

Actualmente, o valor do salário mínimo é de 557 euros.

 

Recusando a crítica da Confederação do Comércio e Serviços (CCP) que considerou que o anterior acordo da concertação social de Janeiro foi um "fracasso total", o governante admitiu "algumas dificuldades", mas defendeu que o anterior acordo com os parceiros "foi cumprido porque o objectivo era apoiar o desenvolvimento da economia".

 

"O balanço global de se ter dito, para dentro e para fora do país, que os parceiros estavam de acordo [sobre o aumento do salário mínimo em 2017] foi um ganho muito importante para o país", destacou Vieira da Silva, lembrando que há uns anos o debate sobre o tema "era muito mais crispado".

 

O ministro disse ainda acreditar que não será necessário um novo acordo entre os parceiros sociais este ano, mas apenas uma actualização, já que o anterior, assinado em Janeiro, "foi para ter uma vigência plurianual".

 

Um dos pontos por cumprir no acordo de Janeiro tem a ver com os contratos de prestação de serviços que acordaram com o Estado preços antes da actualização do salário mínimo, uma matéria que o Governo "está a trabalhar".

 

Sobre as contrapartidas pedidas pela CIP - Confederação Empresarial de Portugal, que pediu redução dos custos de contexto e mais verbas para formação profissional, Vieira da Silva respondeu que o Orçamento do Estado já contempla medidas nesse sentido e que há uma alteração na política energética no sentido de "inverter custos para as empresas e para as famílias".

 

As confederações patronais não avançaram com valores para o salário mínimo, defendendo que a actualização terá de ter em conta a produtividade, a inflação e o crescimento da economia.

 

Do lado das centrais sindicais, a CGTP insistiu nos 600 euros a partir de Janeiro e a UGT exigiu 585 euros como ponto de partida para a negociação.

 

Além do salário mínimo, esteve em discussão o Fundo de Compensação do Trabalho (FCT), que serve para pagar parte das compensações por despedimento, e para o qual as empresas descontam globalmente 1% por mês.

 

O presidente da CIP, António Saraiva, defendeu que o acordo de Janeiro estabelecia alterações ao FCT e que essa questão não foi cumprida em 2017. Segundo afirmou, as empresas têm um esforço mensal de 7 milhões de euros com o fundo e pediu um "alívio" ao abrigo do acordo, recusando que essa exigência seja uma contrapartida ao aumento do salário mínimo no próximo ano.

 

Porém, o ministro indicou que o fundo "não é público", embora seja gerido pelo Estado, e que a ideia que saiu da reunião com os parceiros vai no sentido de "tornar o fundo mais amigo das empresas", reduzindo a burocracia.

 

Por sua vez, o líder da CGTP, Arménio Carlos, propôs que uma percentagem do fundo - que terá cerca de 150 milhões de euros líquidos - deverá ser canalizada para o Fundo de Garantia Salarial, que serve para pagar salários em atraso a trabalhadores de empresas insolventes.




A sua opinião298
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 07.03.2018

?????? ????!
???????? ?????? w242 ?? ????????? ??????? ???????????.
?????????? ????? ?? ????? promelectric prom-electric.ru . ??? ??????????

Anónimo 07.03.2018

??????????? ????!
????????? ????????????? 53 ?? ??????? vesper.
??????????? ????? ?? ????? ???? ???????? prom-electric.ru . ??? ?????????????????

Anónimo 07.03.2018

??????????? ???!
????????? ????????????? er08 ?? ????????? ?????????? ??????.
??????????? ????? ?? ????? prom electric prom-electric.ru . ??? ???????? ???????

Anónimo 07.03.2018

?????? ????!
??????? ????????????? err59 ?? ????????? ??????????????? hyundai.
?????????? ????? ?? ????? prom elektrik prom-electric.ru . ??? ?????????????

ver mais comentários
pub