Saúde Governo quer retomar negociações com médicos depois da greve

Governo quer retomar negociações com médicos depois da greve

O calendário de negociações entre o Governo e os médicos termina em Setembro. Médicos consideraram que o Governo não estava a avançar nas negociações e marcaram uma greve esta quarta e quinta-feira.
A carregar o vídeo ...
Negócios com Lusa 10 de maio de 2017 às 16:52
O primeiro-ministro, António Costa, assegurou esta quarta-feira, 10 de Maio, que o Governo irá prosseguir as negociações com os profissionais de saúde, no calendário previsto, até ser alcançado "um acordo justo, razoável e sustentável", no primeiro dia de uma greve nacional dos médicos.

No debate quinzenal na Assembleia da República, o primeiro-ministro foi confrontado com este tema pelo líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, que acusou o Governo socialista de provocar "instabilidade no Serviço Nacional de Saúde" (SNS) e degradar os serviços prestados aos cidadãos.

"Está a ver no que dá reverter reformas como a das 40 horas, está a ver no que dá conseguir défices à custa de cortes cegos, pagamentos em atraso e desinvestimento público? É este o seu modelo social e de SNS?", questionou.

Na resposta, António Costa admitiu que o Governo gostaria de ter feito mais nesse sector, e que tal seria merecido pelos profissionais de saúde e pelos cidadãos, mas atribuiu responsabilidades ao anterior Governo.

"Não conseguimos fazer num dia o que Vossas Excelências destruíram em quatro anos", acusou.

"Aquilo que estamos a fazer e continuaremos a fazer é prosseguir as negociações calendarizadas até Setembro de forma a conseguir um acordo justo, sustentável e razoável com os profissionais", afirmou.

Luís Montenegro apontou números, como o aumento da dívida ao SNS ao ritmo de 30 milhões de euros por dia no ano passado e 45 milhões de euros por dia este ano, e responsabilizou igualmente BE e PCP pela política do Governo na área da saúde.

"Hoje foram chorar lágrimas de crocodilo aos hospitais, mas os responsáveis por estes cortes são também os senhores", acusou Montenegro, dirigindo-se às bancadas mais à esquerda.

Na resposta, o primeiro-ministro disse que este Governo contratou no ano passado 4000 profissionais de saúde, está a rever a política de aumento das taxas moderadoras do anterior Governo, a repor as horas extraordinárias, e a aumentar as Unidades de Saúde Familiar e as camas de cuidados continuados.

Os médicos cumprem esta quarta e quinta-feira dois dias de greve. O Ministério da Saúde já tinha lamentado que os médicos tivessem avançado para a greve antes de terminadas as negociações.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 10.05.2017

Não é negociar.... é ter que ajoelhar!!

pub