Conjuntura Governo prevê terminar legislatura quase sem défice

Governo prevê terminar legislatura quase sem défice

No Programa de Estabilidade, o Governo aponta para um crescimento de 1,8% este ano, um défice de 1,5%, e a dívida pública a recuar para 127,9% do PIB. Contas públicas quase equilibradas em 2019 e excedente em 2020.
Governo prevê terminar legislatura quase sem défice
Bruno Simão/Negócios

O Governo promete continuar o caminho de consolidação orçamental que tem traçado, sustentado na retoma económica, mas também numa redução do défice estrutural como exigido pelas regras europeias. Dessa forma, em 2019, o ano em que termina a actual legislatura, espera registar um défice orçamental próximo de zero chegar mesmo a um excedente em 2020 (0,4% do PIB). A dívida pública em 2019 ficará pelos 121% do PIB.

 

No Programa de Estabilidade, aponta para um défice orçamental de 1,5% este ano e 1% no próximo, o que nas suas contas permitirá uma redução do défice estrutural de 0,3 pontos em 2017 (aquém das recomendações europeias, mas dentro do intervalo que pode evitar avaliações mais negativas da Comissão Europeia), e de 0,6 pontos em 2018. 

 

O governo garante que mesmo assim cumprirá todas as regras europeias, pelo que o Programa de Estabilidade "não terá qualquer problema a ser aprovado em Bruxelas", afirmou o ministro das Finanças esta quinta-feira, 13 de Abril, no final da reunião de Conselho de Ministros que aprovou o programa.

 

A dívida pública beneficiará dos melhores resultados no défice e do crescimento da economia para cair ao longo dos anos, de 130,4% do PIB no ano passado, para 127,9% do PIB este ano, recuando para 109,4% em 2021, avançou o ministro das Finanças.

 

A redução da dívida, "é o resultados dos saldos primários  e de uma dinâmica de crescimento económico nominal que supera o que o pais paga em juros em percentagem do PIB" explicou o ministro das Finanças em conferência de imprensa.

 

A economia acelera para 1,8% este ano e avançará para um pouco mais de 2% ao ano na viragem da década. A economia continuará a gerar emprego, com a percentagem da população activa sem trabalho a cair para os 9,9% em 2017, e recuando para 7,4% em 2021.




A sua opinião32
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 13.04.2017

Estes grandes senhores doutores governantes das esquerdas unidas são o melhores governantes de que á memória na estória do nosso querido pais.

comentários mais recentes
Sim ... Xalente trabalhe...do Sôr Costa... 13.04.2017

Até a dívida resolveu crescer rapidamente...
Vão medir meças, cara a cara, num duelo dívida - costa...
Quem ganha?... a dívida...óbvio!!!

JCG 13.04.2017

Para se estancar o crescimento da dívida pública em euros e para se controlar o crescimento da sangria em juros que se paga por essa dívida é preciso que o saldo global da conta anual do Estado seja positivo, e o mais depressa possível. Ou querem continuar a ouvir bocas do holandês?
Esta coisa simples e do domínio da aritmética básica da instrução primária já devia ter sido apercebida há muito tempo, mas não foi.

surpreso 13.04.2017

Excelente trabalho de António Costa o melhor PM de sempre de Portugal.

Anónimo 13.04.2017

Ha um ditado que diz; quando nao os podes vencer, junta-te a eles ; assim fez o pai da geringonca; aprofilhou todos os < shitt disturbers> e resultou; ha paz!

ver mais comentários
pub