Segurança Social Governo reconhece atrasos de meses nos apoios a pais e mães

Governo reconhece atrasos de meses nos apoios a pais e mães

Oposição diz que estão em causa atrasos de três meses. Vieira da Silva reconhece que a duração ultrapassa os 30 dias e relaciona o problema com a falta de recursos humanos.
Governo reconhece atrasos de meses nos apoios a pais e mães
Miguel Baltazar/Negócios
Catarina Almeida Pereira 14 de março de 2017 às 19:34

São apoios financiados pelas contribuições e destinados a substituir o salário. Mas o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, reconheceu esta quarta-feira atrasos de meses na atribuição dos subsídios parentais, ou seja, nos apoios atribuídos a quem é pai e mãe.

"De facto esses atrasos acentuaram-se nalgumas prestações e são difíceis de aceitar quando se trata de prestações substitutivas de rendimentos do trabalho", afirmou o ministro, sublinhando que a questão poderá estar relacionada com o impacto "de uma significativa contracção de recursos humanos na Segurança Social".

 

O problema é reconhecido numa altura em que o Governo promete novos apoios laboriais ao pai, que de acordo com o gabinete do ministro adjunto, Eduardo Cabrita, serão apresentados até 1 de Maio.

Vieira da Silva recusou que os atrasos estejam relacionados com as cativações. "Insinuações que tem a ver com cativações ou estratégias ocultas caem pela base quando se compara os tempos médios de todas as prestações entre 2015 e 2016", disse.

Os dados apresentados revelam que no caso do subsídio parental alargado o prazo médio é de 40 dias (em vez de 44 dias em 2015); que no caso do subsídio parental inicial o prazo médio é de 19 dias (22 dias em 2015); ou que o abono de família demora 26 dias (em vez de 30).

O Governo não explicou se são dias úteis ou seguidos e se este prazo abarca todo o processo ou apenas a decisão.

O ministro da Segurança Social respondia a uma pergunta do deputado José Soeiro, do Bloco de Esquerda, que questionou o Governo sobre atrasos de "três meses" na resposta pelo pedido de subsídio parental, um período "incomportável" para quem tem "despesas fixas", às quais acrescem as que resultam do nascimento do bebé.

Também o CDS falou em prazos de "três meses" no pagamento de apoios, enquanto o PCP insistiu na questão do atraso no pagamento do abono de família. O Diário de Notícias tinha dado conta de atrasos de dois meses.


A natalidade tem dados sinais de lenta recuperação, depois de uma quebra muito acentuada.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Não pagando a ninguêm é mais facil arranjar défices da carochinha. Estamos a ser governados por vendedores da banha da cobra.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Não pagando a ninguêm é mais facil arranjar défices da carochinha. Estamos a ser governados por vendedores da banha da cobra.

Anónimo Há 2 semanas

Então e agora a segurança social não paga multa?

Anónimo Há 2 semanas

O Estado serve mal os cidadãos, logo é preciso mais parasitas na função pública para continuar a servir mal...

Conselheiro de Trump Há 2 semanas

TRUQUES tao acanalhados para inventar um PIB de 2,1%,devagarinho vem ao meu encontro:PIB bem acima dos 4% como disse tempos idos.Sera que alguem espera dos canhotos medidas da direita.Santa ignorancia,as vezes ainda penso que nao ha portugueses responsaveis pela familia que criam.Esta tudo tao claro

pub
pub
pub
pub