Economia Governo rejeita "chantagens" depois de Coca-Cola suspender investimento em Portugal

Governo rejeita "chantagens" depois de Coca-Cola suspender investimento em Portugal

O ministro da Economia garante que não está "atento a chantagens" depois de a empresa norte-americana ter decidido suspender um investimento de 40 milhões na fábrica da Refrige em Palmela, devido à criação da "fat tax".
André Cabrita-Mendes 15 de Novembro de 2016 às 19:01

O Governo diz que rejeita ser chantageado por empresas, depois de a Coca-Cola ter suspendido um investimento em Portugal devido à criação da "fat tax" para os refrigerantes no próximo ano.

 

"O Governo não deve estar atento a chantagens desse género, os investimentos em Portugal devem ser feitos por empresas que querem apostar na economia portuguesa e pelas condições de competitividade que oferece", disse o ministro da Economia em audição no Parlamento esta terça-feira, 15 de Novembro.

 

"Penso que essa empresa vai continuar a trabalhar e a ter investimentos em Portugal e neste momento está a tentar fazer um trabalho de ‘lobby’, eventualmente legítimo", salientou Manuel Caldeira Cabral. 

 

A Coca-Cola European Partners tinha previsto realizar um investimento de 40 milhões de euros para ampliar a fábrica Refrige, em Palmela, mas suspendeu o projecto, conforme avançou o jornal Expresso a 5 de Novembro.

 

A empresa suspendeu os seus planos por o imposto sobre as bebidas açucaradas variar entre os 8 e os 16 cêntimos por litro, conforme a proposta para o Orçamento do Estado para 2017.

 

O ministro estava a responder ao deputado do CDS, Pedro Mota Soares, que tinha apontado que o aumento da carga fiscal sobre este sector iria causar danos em futuros investimentos.

 

Na sua intervenção, o ministro insinuou que o CDS estava a fazer um trabalho de ‘lobby’ pela Coca Cola. "Não sei se é um trabalho ao qual o grupo parlamentar do CDS se deva associar, pelo menos dessa maneira, pelo menos com tanta clareza". "Penso que fica consigo, não sei se o grupo parlamentar do CDS se revê nessa sua posição", apontou Caldeira Cabral.

 

Em resposta, o deputado do CDS rejeitou estar a fazer ‘lobby’ pela Coca-Cola. "O senhor ministro acusou a minha bancada de fazer ‘lobby’ em nome de uma empresa, mas eu recebi aqui os trabalhadores dessa empresa, um sindicato de trabalhadores afiliado na CGTP, que nos veio dizer que medidas como estas afectam o investimento e os postos de trabalho", afirmou Pedro Mota Soares.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Há 2 semanas

Este governo nao percebe como é que a economia funciona... Aumentaram os impostos sobre a coca-cola, logo a coca-cola acha que vai vender menos, logo cancela investimentos. Nao ha qualquer chantagem, apenas bom senso.

Anónimo Há 2 semanas

Um investimento inviabilizado por um aumento de poucos cêntimos. Grandes investidores!

CARREGUE, CARO MINISTRO ! Há 2 semanas

Totalmente de apoio.
Estes pulhas das multinacionais apenas conhecem a cor do dinheiro.
Nada os preocupa a saúde das pessoas
Estes porcos vão na mesma linha do escroque Trump, que, em nome dos lucros das suas empresas, nega o aquecimento global e caga--se para os seus filhos e netos, que cá ficam

è preciso dizer sim senhor Há 2 semanas

Emigra piegas

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub