Finanças Públicas Governo responde a Bruxelas com descida dos juros e subida do "rating"

Governo responde a Bruxelas com descida dos juros e subida do "rating"

Mário Centeno diz a Dombrovskis e Moscovici que não estão a considerar, nos seus cálculos, a reforma estrutural que está em curso em Portugal. O Governo dá como exemplo o malparado.
Governo responde a Bruxelas com descida dos juros e subida do "rating"
Diogo Cavaleiro 31 de outubro de 2017 às 20:04

A diminuição do risco da dívida portuguesa; a melhoria das avaliações das agências de "rating": estes são factos que o Governo atribui à reforma estrutural que está a empreender em Portugal.

 

Na missiva dirigida ao vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, e ao comissário Pierre Moscovici, o ministro das Finanças, Mário Centeno, escreve que os cálculos feitos por Bruxelas "não consideram o impacto da reforma estrutural".

 

"Mas a verdade é que os dias negros da economia portuguesa já ficaram para trás, em grande medida como resultado da reforma do sistema financeiro. E tanto os 'players' como as instituições do mercado reconheceram a mudança estrutural: os ‘ratings’ da dívida melhoraram, e os diferenciais das taxas de juro [dívida pública portuguesa face à alemã] encolheram, melhorando as perspectivas de investimento", aponta a carta datada desta terça-feira, 31 de Outubro.

 

No documento, enviado em resposta às dúvidas levantadas junto de Lisboa pela Comissão Europeia, Mário Centeno diz que "isto é claramente o resultado da reforma estrutural".

Em relação à banca, o Executivo argumenta que, em 2015, quando assumiu funções, os problemas herdados eram muitos: "falta de capital, frágeis estruturas accionistas, ausência de estratégia pública para o Fundo de Resolução e malparado". "Todos estes problemas estão efectivamente resolvidos", disse. Sobre este último ponto, o Governo tinha a ideia de constituir um veículo que comprasse o crédito malparado aos bancos, mas não conseguiu concretizá-la, afastando-se do processo: está agora a ser trabalhada uma plataforma que vai gerir o malparado que, contudo, continuará nos bancos.  

 

O ministro das Finanças desvaloriza as diferenças em torno das estimativas de crescimento potencial da economia portuguesa, dizendo que os 0,1 pontos percentuais que afastam Lisboa de Bruxelas não são "relevantes estatisticamente". À Comissão Europeia, o Governo tenta mostrar as virtudes do Orçamento do Estado para 2018, como a redução do défice orçamental para 1% do produto interno bruto e a diminuição do rácio da dívida pública para 123,5% do PIB – que atribui à gestão de dívida, que tem permitido os reembolsos ao Fundo Monetário Internacional.

 

Centeno baseia-se nas conquistas do passado para agradar a Bruxelas: "O histórico do Governo português mostra um compromisso total na procura por um processo de consolidação orçamental amigo do crescimento que abra o caminho para um crescimento económico e para a criação de emprego mais inclusivos e mais sustentados". Compromisso que se manterá em 2018 "e nos anos seguintes".




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

O meu comentario sobre isso é a falta de responsabilidade de alguns Puliticos'?

pertinaz Há 2 semanas

O TÍTULO DESTE ARTIGO É IGUAL AO CONTEÚDO DA CARTA ENVIADA PELO DESGOVERNO A BRUXELAS: CONVERSA FIADA...!!!

Anónimo Há 2 semanas

O responsável pelas cativações de dinheiros da proteção civil que desprotegeram as 110 vítimas mortais nos incêndios em troca da compra de votos de clientelas eleitorais.

Anónimo Há 2 semanas

No artigo n sei q disse bruxelas,Portugal melhorou indicadores mas tem divida de 250 biliões e um gov radical coletivista fora do agrado da EU.Os saques e confiscos em estudo pelos radicais levam tb Bruxelas a querer parar os roubos,gastos excedentários e despesismos. É um alerta bem expressivo.

ver mais comentários
pub