Economia Governo reúne-se hoje com protecção civil, bombeiros, GNR e Forças Armadas

Governo reúne-se hoje com protecção civil, bombeiros, GNR e Forças Armadas

O primeiro-ministro e a ministra da Administração Interna reúnem-se esta sexta-feira com o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, GNR, bombeiros e comandante nacional de operações de socorro para preparar "a mobilização máxima de meios contra os incêndios".
Governo reúne-se hoje com protecção civil, bombeiros, GNR e Forças Armadas
Reuters
Lusa 18 de agosto de 2017 às 05:20

O encontro foi anunciado na quinta-feira, depois do Governo ter declarado o estado de calamidade pública, com efeitos preventivos, face à previsão do agravamento nos próximos dias do risco de incêndio.

 

"Face à previsão do agravamento, nos próximos dias, em particular no fim de- emana, do risco de incêndio muito elevado e máximo, com especial incidência nos distritos do interior das regiões do Centro e Norte e alguns concelhos do distrito de Beja e sotavento algarvio, o Governo, por despacho do primeiro-ministro e ministra da Administração Interna, vai declarar o estado de calamidade pública com efeitos preventivos naquelas zonas do território nacional", lia-se numa nota divulgada pelo gabinete do primeiro-ministro ao final da manhã de quinta-feira.

 

Na nota era ainda anunciado a reunião entre o primeiro-ministro, a ministra da Administração Interna, o Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, o comandante geral da GNR, o comandante nacional de operações de socorro e o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses "tendo em vista a mobilização máxima de meios e pré-posicionamento nas zonas de maior risco".

 

No comunicado era indicado que o Governo vai também ouvir "os presidentes de Câmara daqueles territórios tendo em vista a identificação de outras medidas que devam ser adoptadas com carácter preventivo".

 

A declaração de calamidade pública está prevista na lei de bases da Protecção Civil, podendo ser declarada "face à ocorrência ou perigo de ocorrência" de acidente grave ou catástrofe, e inclui um "regime especial de contratação pública de empreitadas de obras públicas, fornecimento de bens e aquisição de serviços".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira 18.08.2017

Concerteza que deve ter havido muita preocupação, sobre a qualidade do café para os intervalos, e qual seria a ementa do jantar.

A útil da inutilidade a trabalhar para o VOTO... 18.08.2017

O desgoverno Costa vai reunir-se com a desproteção civil por ele nomeada! Certo?
Isto é atirar cinza para os olhos dos Portugueses.
Bem, sempre podem jogar à bisca de 4...
Os Tugas são gado de ordenha e aceitam tudo.
O pulmão do país ardeu todo, que se lixe, não é LISBOA... não dá votos.

General Ciresp 18.08.2017

Nao estaria esta mesa PENTAGONAL mais completa ao fazer sentar aqui TAMBEM os protagonistas do EROTISMO DA DOR?

Camponio da beira 18.08.2017

Continua tudo com antes de Pedrogão. Não aprenderam nada.

ver mais comentários
pub