Finanças Públicas Centeno revê em baixa investimento público para este ano

Centeno revê em baixa investimento público para este ano

Os novos números do Governo mostram que espera fazer menos investimento este ano do que tinha planeado anteriormente. Executivo tentará compensar nos anos seguintes.
Centeno revê em baixa investimento público para este ano
Miguel Baltazar
Nuno Aguiar 13 de abril de 2017 às 21:36

Mário Centeno espera hoje investir cerca de menos 300 milhões de euros em 2017 do que antecipava há apenas seis meses. A explicação estará num 2016 que, neste capítulo, desiludiu ainda mais do que se previa.

 

Confuso? Comecemos pelo princípio. O ano passado foi terrível para o investimento público. O pior pelo menos nos últimos 20 anos. Pelos vistos, foi até pior do que o Governo achava que iria ser em Outubro, momento em que publicou as suas últimas previsões. Nessa altura, apenas a três meses do final do ano, as Finanças esperavam que fossem investidos 1,9% do PIB, cerca de 3,5 mil milhões de euros. Na realidade, o investimento público ficou-se pelos 1,5%, cerca de 2,8 mil milhões.

 

Ou seja, um ano que já se achava que seria muito mau foi ainda pior. Partir de uma base tão baixa torna mais difícil a recuperação em 2017. Daí que o Governo espere agora investir 2% do PIB em vez dos 2,2% que estavam orçamentados. Uma diferença de perto de mais de 300 milhões de euros.

 

Na realidade, isso significa que o investimento terá de crescer mais este ano do que se esperava. Em vez de passar de 1,9% do PIB para 2,2%, passará de 1,5% para 2%. Mas mesmo esta aceleração é insuficiente para compensar totalmente a perda de terreno do ano anterior.

 

Recorde-se que o investimento tem sido um dos temas mais quentes do debate político em torno da consolidação orçamental, com a oposição a acusar o Governo de cortar de forma drástica nessa rubrica para conseguir atingir as metas orçamentais. O Executivo defende-se, argumentando que a queda do investimento em 2016 se deveu essencialmente a atrasos nos fundos comunitários.

 

O Governo tentará compensar nos anos posteriores, mantendo o investimento público em 2,1% do PIB todos os anos até 2021. Um compromisso mais ambicioso do que no anterior Programa de Estabilidade.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Não se investe na automação e digitalização do sector público e ficamos parados no tempo ao mesmo tempo que se justifica o posto de trabalho de burocratas obsoletos ou digitaliza-se e automatiza-se tudo poupando imensamente em recursos e elevando a eficiência, mas deixam-se ficar nos seus postos até ao final da respectiva carreira e a chegada automática ao seu topo, todos os colaboradores assalariados, mesmo aqueles muitos milhares que não são já precisos para nada ao empregador estatal ou que gradualmente ficarão em idêntica situação. Se isto não é uma injustiça social para com todos os outros cidadãos contribuintes e os seus filhos, se isto não representa enormes custos de oportunidade para a sustentabilidade do Estado e a competitividade da economia, o que é que será então verdadeiramente injusto e insustentável...

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Não se investe na automação e digitalização do sector público e ficamos parados no tempo ao mesmo tempo que se justifica o posto de trabalho de burocratas obsoletos ou digitaliza-se e automatiza-se tudo poupando imensamente em recursos e elevando a eficiência, mas deixam-se ficar nos seus postos até ao final da respectiva carreira e a chegada automática ao seu topo, todos os colaboradores assalariados, mesmo aqueles muitos milhares que não são já precisos para nada ao empregador estatal ou que gradualmente ficarão em idêntica situação. Se isto não é uma injustiça social para com todos os outros cidadãos contribuintes e os seus filhos, se isto não representa enormes custos de oportunidade para a sustentabilidade do Estado e a competitividade da economia, o que é que será então verdadeiramente injusto e insustentável...

Velhacos Há 1 semana

É certo. Agradeçam a corrupção que tem dado mau nome a Portugal. Eu também não investia neste ninho de ratos. Olhem só para os bancos.

Anónimo Há 1 semana

Investimento público que só serve para alimentar os "amigos" privados...não, obrigado!
Já temos muitas PPP's e faturas do passado para pagar nos próximos 20 anos.

DJ viajante Há 2 semanas

Quem investe 500 ganha 500, wuem investe 1000 ganha 1000, quem nao investe nada, nada ganha. Centeno esta a secar o pais, lentamente mas garantidamente.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub