Emprego Governo satisfeito com "nova" sugestão da OCDE para contratos a prazo

Governo satisfeito com "nova" sugestão da OCDE para contratos a prazo

Numa primeira reacção ao relatório da OCDE o Governo sublinhou os pontos mais "inovadores": entre eles, o facto de a OCDE admitir uma TSU mais alta para os contratos a prazo.
Governo satisfeito com "nova" sugestão da OCDE para contratos a prazo
Bruno Simão/Negócios
Catarina Almeida Pereira 19 de janeiro de 2017 às 17:55

O Governo mostrou-se esta quinta-feira, 19 de Janeiro, satisfeito com os "pontos inovadores" do relatório da OCDE, como o que admite o aumento da taxa social única para os contratos a prazo.

 

Há vários meses que o Governo defende que se discuta o agravamento da taxa contributiva para quem contrata a prazo, uma medida que chegou a estar prevista para 2010 mas que na altura não avançou.

 

No primeiro comentário ao relatório  que também propõe maior flexibilização de despedimentos, o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (na foto), sublinhou que há "aspectos inovadores" no documento, referindo-se ao facto de a OCDE admitir agora o agravamento das contribuições para contratos não permanentes.

 

O que o documento indica como "opção" para reduzir a segmentação do mercado de trabalho é o encarecimento das contratações de contratos a prazo, tal como foi feito em França, Eslovénia e Itália.

 

Contudo, a OCDE também alerta para os "riscos" desta medida, que pode reduzir as "oportunidades de emprego".

 

A proposta não constava da versão do relatório que foi divulgada há um mês pelo Observador e depois pelo Negócios, versão essa que a OCDE não reconhece como oficial.

 

O estudo da OCDE foi originalmente encomendado pelo anterior governo.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.01.2017

Um estudo encomendado pelo anterior Governo, só agora está feito? E alguém acha que é credível?

pub
pub
pub
pub