Economia Governo "sem respaldo" do PSD quanto à nova secretária-geral das 'secretas'

Governo "sem respaldo" do PSD quanto à nova secretária-geral das 'secretas'

O líder do PSD foi informado do nome que o Governo propôs ao parlamento para liderar as 'secretas', Maria da Graça Mira Gomes, mas Passos Coelho não se pronunciou sobre o mesmo, disse à Lusa fonte oficial social-democrata.
Governo "sem respaldo" do PSD quanto à nova secretária-geral das 'secretas'
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 04 de setembro de 2017 às 19:59

"Dadas as circunstâncias, o Governo não tem o respaldo do PSD", acrescentou a mesma fonte, que explicou que esta posição se deve ao facto de o PS manter "o impasse em relação à nomeação para o Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República Portuguesa (CFSIRP).

 

Em causa está a recusa do PS, na passada sessão legislativa, em apoiar o nome da vice-presidente do PSD Teresa Morais para liderar a fiscalização das 'secretas', que acabou por não conseguir os necessários dois terços para a sua aprovação.

 

O primeiro-ministro, António Costa, indigitou hoje a embaixadora Maria da Graça Mira Gomes para o cargo de secretária-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP).

 

Segundo fonte oficial do Governo, o nome da nova secretária-geral do SIRP foi já enviado para a Assembleia da República.

 

"O primeiro-ministro informou o líder do principal partido da oposição, dr. Pedro Passos Coelho, desta indigitação", lê-se no comunicado do Governo.

 

A nova secretária-geral do SIRP exerce actualmente as funções de embaixadora portuguesa junto da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em Viena, cargo que ocupa desde 2015 e, nessa qualidade, presidiu ao Fórum para a Cooperação na Segurança e à Comissão Consultiva e ao Tratado "Open Skies".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub