Finanças Públicas Governo sobre FMI: “Estes resultados assentam na mudança estrutural em curso”

Governo sobre FMI: “Estes resultados assentam na mudança estrutural em curso”

O Governo regozija-se com o relatório do FMI sobre a economia portuguesa. O Fundo reviu em alta as suas previsões de crescimento para Portugal e considera que o país atingirá défice de 1,5% do PIB "confortavelmente".
Governo sobre FMI: “Estes resultados assentam na mudança estrutural em curso”
Negócios 30 de junho de 2017 às 11:31

A recuperação económica na Zona Euro e o facto de o Governo ter controlado alguns riscos na frente orçamental e no sector financeiro, colocaram Portugal no bom caminho. Em consequência, a economia portuguesa deverá crescer 2,5% este ano e 2% no próximo, e a meta para o défice orçamental traçada por Mário Centeno será "confortavelmente" alcançada, revela o Fundo Monetário Internacional (FMI) num relatório publicado esta sexta-feira, 30 de Junho.

 

"A credibilidade do processo de consolidação orçamental melhora o posicionamento da economia portuguesa. A recuperação do mercado de trabalho e da confiança, o crescimento do investimento e das exportações e o excedente das balanças correntes e de capital são a materialização desta evolução positiva", realça o Ministério das Finanças num comunicado emitido após conhecido o relatório.

 

"Estes resultados assentam na mudança estrutural em curso. A importância das reformas de 2016 no sector financeiro é, correctamente, salientada pelo Fundo. O Governo reafirma o seu empenho em prosseguir com o esforço reformista, colmatando falhas passadas e projectando o futuro. A concretização do Programa Nacional de Reformas é essencial para ultrapassar dificuldades estruturais", acrescenta a mesma fonte.

 

"A alteração recente da perspectiva para a economia portuguesa de várias instituições é confirmada pelos resultados desta Missão. A continuidade de uma gestão orçamental rigorosa e o fomento da competitividade da economia portuguesa trarão um crescimento sustentável e inclusivo", salienta.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Afper 30.06.2017

Pois...
o capitalismo está naturalmente optimista, porque já deu desta vez de novo a "volta ao texto".

O capitalismo não acaba, mas transforma-se consoante as situações conjunturais.
Na última reunião/debate da Banca iinternacional em Sintra, o crescimento económico mundial está assegurado pela automatização, apesar de algum progresso ainda existente nos moldes tradicionais em algumas zonas geopolíticas (claro que nestas não engloba a zona euro da União Europeia e a UE).

Fazem reportagens e dão notícias, mas não se apercebem do essencial.

Por exemplo, a produção das antigas grandes fábricas está agora automatizada, isto é, entregue à robotização.

E hoje então é possível robotizar quase completamente quase toda a produção material e/ou intelectual em qualquer sector da actividade humana.

Cofina deve explicações ao mercado: jogo 30.06.2017

A Cofina escreveu no último relatório de contas do 1T2017: "Paralelamente, a Cofina está a desenvolver novas unidades de negócio, destacando-se uma plataforma de jogo on-line, que deverá estar operacional durante o segundo trimestre de 2017." Passou o 2T2017 e ...nada.

pub
pub
pub
pub