Finanças Públicas Governo vai antecipar pagamento de mil milhões de euros ao FMI até ao final do mês

Governo vai antecipar pagamento de mil milhões de euros ao FMI até ao final do mês

A informação é avançada, em entrevista à Bloomberg, pelo ministro das Finanças, que está à espera de autorização das autoridades europeias.
Governo vai antecipar pagamento de mil milhões de euros ao FMI até ao final do mês
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 16 de junho de 2017 às 09:55

O Governo português quer antecipar o pagamento de mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) até ao final deste mês de Junho.

A informação foi avançada esta sexta-feira, 16 de Junho, pelo ministro das Finanças Mário Centeno, em entrevista à Bloomberg TV, no Luxemburgo, onde se realiza o encontro do Ecofin. 

À agência noticiosa, Centeno admitiu que o Executivo quer manter a almofada financeira enquanto continua a fazer pagamentos antecipados à instituição liderada por Christine Lagarde nos próximos 30 meses. O Governo só espera a autorização formal por parte das instituições europeias para avançar.

"Começaremos em breve, assim que tivermos a autorização formal das instituições europeias, e até o final do mês poderemos reembolsar já mil milhões de euros", afirmou Centeno, citado pela Bloomberg. 

Na última reunião mensal do Ecofin, em Maio, o Governo português havia formalizado o pedido aos parceiros europeus para antecipar o pagamento de cerca de 10 mil milhões de euros ao FMI, que cobra pelos seus empréstimos juros mais altos do que as instituições europeias e exige ser reembolsado em prazos mais curtos. O pedido vai ser apreciado na reunião de hoje. 

No final da reunião do Eurogrupo, na quinta-feira à noite, Centeno apontou que "o pedido de autorização para pagamento antecipado ao FMI, que já deu entrada nas instituições europeias" e já foi mesmo analisado no fórum de ministros da zona euro, antes de ser hoje apreciado pelo Ecofin deverá estar concluído "até ao final do mês de Junho". 

 

Os reembolsos antecipados ao Fundo necessitam de luz verde dos Estados-membros (accionistas do Mecanismo Europeu de Estabilidade), na medida em que estes têm que aceitar renunciar a uma cláusula que prevê que os reembolsos antecipados têm de ser proporcionais entre todos os credores - e Portugal só tenciona pagar mais cedo ao FMI.


Segundo dados do IGCP, Portugal ainda tem de
pagar 66 mil milhões de euros do resgate pedido em 2011. Deste total, 51,6 mil milhões são devidos aos mecanismos europeus e 14,4 mil milhões de euros ao FMI. O Tesouro prevê pagar antes do prazo 6.500 milhões em 2018 e 3.200 milhões de euros em 2019.

 

Mário Centeno falou à Bloomberg à margem do Ecofin, no Luxemburgo, que deverá formalizar esta sexta-feira, a saída do país do Procedimento dos Défices Excessivos. 


(Notícia actualizada às 11:17)




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.06.2017

O governo paga mil milhoes ao FMI , porque foi pedir a outro, dois mil milhoes; noticia para macacos!!

comentários mais recentes
Anónimo 19.06.2017

Malabaristas. É o que se pode depreender desta gente que com habilidade lá vai vivendo. Pedem aos organismos que nos controlam, autorização para amortizar antecipadamente, ao FMI, de 10 mil milhões, fazendo a festa do costume. Talvez se antecipe 10% e isto, como habitual, "cravando" alguém. Depois, lá para 2018/2019, logo se verá. A romaria continuará de harmonia com a "música" que, entretanto entoará no coreto!!!

Anónimo 17.06.2017

Só não tenho certeza se esta cara é a cara da imbecilidade, como a de um louco débil mental, ou da mais pura maldade, como a de um malvado criminoso.

Criador de Touros 17.06.2017

Enganei-me, este governo não é das varinas, é dos ciganos e das ciganas, ciganos giros tipo caviar com minis. Peço desculpa pelo lapso às varinas e aos ciganos caviar da moda. Ciganos da cabeça aos pés, diga-se, mas lá está, ciganos com savoir-faire, ciganos com patine, às vezes ciganos com paté. Ciganos de esquerda ? Sim, ciganos evoluídos tipo geringonça, um pouco picolhos, mas ciganos posmodernos, realmente avant-garde ou tipo avant, para levar a ciganada toda, sem nunca esquecer as grades de minis de que o socialista calvinista do eurogrupo não é admirador, pois não gosta de minis nem de meninas. E os socialistas ciganos avant-garde não gostaram nada desse socialista calvinista nada cigano avant, nada, mesmo nada, mas quem nada não se afoga neste mercado que peca por ter muitas varinas e muitos ciganos, sim, mas uns e outros sempre muito posmodernos e novos-ricos.

Criador de Touros 17.06.2017

Mais que isso, lá andam os galambas socialistas a jnsultarem-se que até parecem varinas: António Costa parece varina, o Galamba picolho parece varina, a cigana parece varina...O partido socialista é uma peixaria onde se vendem robalos ao quilate: estas peixeiras sabem lá o que é governar !...Seguem o road-book do Passos e vão dando tremoços ao povo para ir bebendo umas minis: os socialistas gostam, os comunistas gostam, os comunistas bloquistas gostam, este povo gosta de ser embebedado com minis, mas não percebe nada de cerveja.

ver mais comentários
pub