Economia Governo vai queixar-se a Bruxelas de resíduos nucleares em Almaraz

Governo vai queixar-se a Bruxelas de resíduos nucleares em Almaraz

O ministro do Ambiente afirmou estar surpreendido com a autorização de Espanha à construção do armazém de resíduos nucleares, em Almaraz, considerando haver incumprimento de legalidade e lealdade entre os dois países, estando agora a decorrer contactos diplomáticos.
Governo vai queixar-se a Bruxelas de resíduos nucleares em Almaraz
Miguel Baltazar
Lusa 29 de dezembro de 2016 às 19:51

O Governo espanhol deu luz verde à construção do armazém para resíduos nucleares na central de Almaraz, localizada a cerca de 100 quilómetros da fronteira portuguesa, através de uma resolução da Direcção-Geral de Política Energética e Minas do Ministério da Energia.

 

De acordo com o Boletim Oficial do Estado (BOE), divulgado na quarta-feira, "autoriza a execução e montagem da modificação do desenho correspondente ao Armazém Temporário Individualizado da Central Nuclear Almaraz, Unidades I e II".

 

O ministro do Ambiente já reagiu, mostrando-se surpreendido, e disse que será apresentada queixa em Bruxelas. "Reajo com uma enorme surpresa a esta decisão por parte do Governo espanhol", transmitiu João Matos Fernandes (na foto).

 

"Temos três princípios muito claros, o primeiro é o da legalidade e ela não foi cumprida", disse à agência Lusa o ministro, explicando que, num projecto deste tipo, as leis comunitárias obrigam à existência de uma avaliação de impactos ambientais transfronteiriços e "isso não foi feito".

 

Com base nos elementos fornecidos por Espanha e "mostrados pelos nossos colegas espanhóis é evidente que isso [a avaliação dos impactos transfronteiriços] não foi feito", realçou.

 

"Não deixaremos em situação alguma de recorrer à Comissão Europeia que é quem tem a responsabilidade máxima pelo cumprimento dessas diretivas para deixar claro que isso não foi cumprido", voltou a referir o ministro do Ambiente, que falava à Lusa depois da cerimónia de apresentação do Relatório do Estado do Ambiente (REA) 2016, em Lisboa.

 

Em segundo lugar, para o governante, está em causa "um princípio de lealdade na relação entre dois povos vizinhos" salientando que não sente que isso tenha acontecido. Por isso, "estão a acontecer, neste momento, um conjunto de 'démarches' diplomáticas a tentar que essa mesma lealdade volte a estar em cima da mesa", especificou João Matos Fernandes.

 

"Em terceiro lugar [está] o princípio básico da defesa das condições ambientais no nosso país, que em situação alguma posso dizer que estão em risco, mas que têm de ser avaliadas e apreciadas", disse ainda o ministro.

 

"Existindo uma reunião marcada em que o primeiro ponto de agenda é discutir Almaraz, a 12 de Janeiro, não posso deixar de me interrogar sobre a pertinência dessa mesma reunião e, com base nas 'démarches' diplomáticas a decorrer, vamos perceber se essa reunião faz ou não sentido", referiu.

 

João Matos Fernandes recordou que a 1 de Dezembro foi enviada uma carta à ministra espanhola que tutela o Ambiente, com três parágrafos, um que remete para a apreciação da informação enviada a Portugal que, "não sendo completa, deixa claro que não foram avaliados os impactos transfronteiriços, isso é muito evidente".

 

No parágrafo, o ministro disponibilizava-se para que a reunião se realizasse rapidamente, tendo depois ficando agendada para 12 de Janeiro, e em terceiro lugar solicitava que "não houvesse uma decisão formal sobre a possibilidade de construção do aterro para resíduos nucleares".




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 31.12.2016

Agora? Este é o ministro que em Julho dizia que confiava plenamente nos espanhóis. Está à vista o resultado.

Portugal não é a estrumeira da Espanha 29.12.2016

O Governo Português tem de reagir com vigor e sem tibiezas, fazendo-se eco da justa indignação dos cidadãos portugueses.
Se alguém que diz que é meu amigo me ofende e prejudica, esse alguém não é meu amigo.
E NADA DE EMBARCAR EM SOLUÇÕES TRANSITÓRIAS, QUE DEPOIS DESCAMBAM EM DEFINITIVAS.

Anónimo 29.12.2016

Desde o Minho ao Guadiana que os espanhois sempre abusaram nas fronteiras portuguesas. Os povos fronteiriços tem sofrido na pele e nos ossos os crimes ecológicos feitos por individuos anormais.

COM AMIGOS DESTES QUEM PRECISA DE INIMIGOS ? 29.12.2016

A amizade entre 2 povos deve basear-se no respeito mútuo e não se concretiza apenas em palavras e no blá, blá, blá circunstancial, como ocorreu durante a visita do jovem rei a Portugal.
Não se pode chamar amizade ao que Espanha fez agora a Portugal.
OS PORTUGUESES DEVEM REAGIR FORTEMENTE.

ver mais comentários
pub