Energia Governo vê "com satisfação" aumento de 1,2% do preço da electricidade

Governo vê "com satisfação" aumento de 1,2% do preço da electricidade

O Governo vê "com satisfação" o aumento de "apenas 1,2% das tarifas transitórias da electricidade" em 2017 hoje anunciadas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).
Governo vê "com satisfação" aumento de 1,2% do preço da electricidade
Bloomberg
Lusa 15 de dezembro de 2016 às 20:51

Em comunicado hoje enviado, o gabinete do secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, refere que "esta subida do preço da energia ocorre num contexto inédito", sendo "a mais reduzida dos últimos 10 anos, abaixo da inflação prevista para o próximo ano".

 

De acordo com a tutela, o valor agora fixado pela ERSE "reflete o esforço do Governo para travar os custos excessivos do sistema elétrico nacional", num ano em que "o serviço da dívida tarifária atinge o valor mais alto de sempre, [de] 1.900 milhões de euros".

 

As tarifas de electricidade no mercado regulado vão subir 1,2% para os consumidores domésticos a partir de 1 de Janeiro, o que representa um aumento de 57 cêntimos numa factura média mensal de 47 euros.

 

As tarifas transitórias para os consumidores que ainda não migraram para o mercado liberalizado, que vigoram durante todo o ano de 2017, têm a variação mais baixa desde 2006, ano em que o aumento foi igualmente de 1,2%.

 

O aumento das tarifas da electricidade, divulgado hoje pela ERSE, resulta do impacto do serviço da dívida com custos "a um nível historicamente alto", apesar da descida da taxa de juro, do diferencial de custo com a produção em regime especial - a produção hídrica e eólica foi superior ao esperado - e de rendas de concessão dos municípios nas Regiões Autónomas.

 

Ainda assim, os preços dos futuros da energia eléctrica - decorrentes da descida do preço do petróleo - inferiores aos do ano anterior e as medidas adotadas pelo Governo permitiram atenuar o aumento das tarifas em 2017.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado ABCDEF1 15.12.2016

O governo tem que estar satisfeito. Nestes 1,2% vão sacar 0,276 de IVA. Os tótós que paguem que levam 0,5% nas reformas para agora pagar 1,2 na electricidade sem falar no que a seguir virá. E nós, o povo vamos calando e batendo palmas a quem nos lixa. É preciso ter lata para andar aí com as bandeirinhas quando eles andam pelas praças e feiras a vender a "banha da cobra".

comentários mais recentes
Ana 16.12.2016

Com a eléctricidade mais cara da UE e este governo com tanta satisfação em mais um aumento. Os ordenados e pensões é que não aumentam para fazer face a estes roubos declarados. Deixei de votar por não ver governos que satisfaçam as necessidades de quem mais precisa e dá ámens a exploradores.

Anónimo 16.12.2016

Na realidade não são 1,2% de aumento... é só ver as tarifas publicadas pela ERSE para cada tipo de contrato (potência contratada e tarifas de energia). outra situação interessante é que o aumento das tarifas no mercado liberalizado que se pretende promover seja superior ao do mercado regulado.

Anónimo 16.12.2016

A demagogia da geringonça no seu melhor.Arrota povo que te faz bem.

JOAO 16.12.2016

Como diz o povo; "Todos os burros comem palha, só depende da forma como se dá". Agora a geringonça, " vê com satisfação mais um aumento?!" Forma desonesta de se apresentar uma MÁ noticia como sendo BOA. Talvez amanhã anunciem com grande euforia mais uma banca rota e mais uma visita da TROIKA.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub