Impostos Governo aprova 164 medidas para valorizar o interior

Governo aprova 164 medidas para valorizar o interior

O Governo aprovou esta quinta-feira um programa com 164 medidas para combater a tendência de desertificação do interior, que prevê um quadro fiscal mais favorável e a reabertura de diversos serviços públicos, anunciou o ministro-adjunto, Eduardo Cabrita.
Governo aprova 164 medidas para valorizar o interior
Lusa 20 de Outubro de 2016 às 15:51

"O PNCT [Programa Nacional para a Coesão Territorial] identificou 164 medidas nas várias áreas de governação que lançam uma nova etapa para o desenvolvimento dos territórios do interior, contrariando a tendência de desertificação dos últimos anos", realçou o Governo, destacando que o programa será avaliado de seis em seis meses.

 

O ministro destacou, porém, que este é um programa de igualdade de acesso aos serviços, que procura mobilizar investimento privado para o interior, e não "um programa qualquer de regresso a qualquer passado", que implique uma reabertura automática de serviços encerrados nos últimos anos, como escolas ou centros de saúde.

 

O governante realçou que haverá "diálogo com as entidades locais para detectar as necessidades" e que "a palavra local será decisiva" quanto à reabertura de serviços.

 

Entre as medidas aprovadas estão incentivos de 40% da remuneração base para colocação de médicos em zonas carenciadas, a reactivação de 20 tribunais encerrados e a reclassificação de 23 antigas secções de proximidade, a articulação entre os politécnicos e universidades do interior, e benefícios fiscais para as pequenas e médias empresas que se instalem no interior, apontou.

 

Eduardo Cabrita acrescentou que o programa não tem uma verba própria global, mas todas as 164 medidas têm metas e calendários.

 

"Há indicação de metas, de calendários, umas estão em execução já, outras prolongar-se-ão ao longo da legislatura e relativamente a cada uma delas, no momento da execução, será feita a sua orçamentação", explicou, salientando que a intervenção em 43 tribunais está neste momento em avaliação na Assembleia da República.

 

De acordo com o ministro, "a valorização deste território que se encontra mais perto dos mercados europeus é uma prioridade do Governo", definida "em consonância e diálogo com autarquias e demais parceiros locais, como as universidades".

 

O programa, fechado e entregue ao Governo em Setembro, é uma das apostas inscritas nas Grandes Opções do Plano (GOP) para 2017 e estará disponível no portal do Governo na internet a partir de hoje.

 

O PNCT aprovado pelo Governo teve como base o trabalho de seis meses da Unidade de Missão de Valorização do Interior, coordenada por Helena Freitas.




A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas


Um governo de ladrões

O FIM DA AUSTERIDADE

O PS comemora o Fim da austeridade, ... com brutais aumentos de impostos!


comentários mais recentes
Nuno Alves Há 2 semanas

LOL

Graça Amorim Há 2 semanas

A partir da 6a já é floreado

Jorge Granjo Ferreira Há 2 semanas

164 reaberturas de escolas e trbunais em locais ermos. Na Alemanha parte dos ministérios estão em Bona e não em Berlim, o Banco Central está em Frankfurt, o tibunal constitucional está em Karlsruhe. As sedes das grandes empresas como a Bayer, a Lufthansa, a BMW estão fora de Berlim. Com os media passa-se o mesmo WDR, RTL, Spiegel, Die Zeit, FAZ, tudo fora de Berlim. Isso é um estado descentralizado. Descentralizar não é reabrir tribunais. Ridículo

Rodrigo Saraiva Há 2 semanas

É necessário descentralizar serviços. Deixar de estar tudo concentrado em Lisboa.

ver mais comentários
pub