Economia Governo: Cargo de Moreira da Silva na OCDE é de "extrema importância"

Governo: Cargo de Moreira da Silva na OCDE é de "extrema importância"

O Ministério dos Negócios Estrangeiros congratulou o antigo ministro do Ambiente por ter sido nomeado para a OCDE.
Governo: Cargo de Moreira da Silva na OCDE é de "extrema importância"
Miguel Baltazar
André Cabrita-Mendes 19 de Outubro de 2016 às 16:19
O Governo deu os parabéns a Jorge Moreira da Silva por ter sido nomeado para a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

"O Ministério dos Negócios Estrangeiros congratula-se com a eleição de Jorge Moreira da Silva para o cargo de director da Cooperação para o Desenvolvimento da OCDE, uma posição cimeira na Organização e de extrema importância e visibilidade na área da cooperação internacional para o desenvolvimento", pode-se ler no comunicado divulgado esta quarta-feira, 19 de Outubro. 

O Palácio das Necessidades deixa vários elogios ao deputado, considerando que a sua escolha para o cargo "é o justo reconhecimento de um relevante percurso profissional em assuntos relacionados com o desenvolvimento e o ambiente, bem como do seu inegável mérito e capacidades pessoais".

"É a primeira vez que um nacional português ocupa um lugar de relevo nesta estrutura do secretariado da OCDE", destaca a tutela de Augusto Santos Silva.

Moreira da Silva, por seu turno, na sua carta de despedida de Portugal, também agradeceu o "apoio dado" pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros à sua candidatura, apesar de ter sido feita em nome individual. O actual deputado do PSD deixa o Parlamento no final de Outubro para iniciar funções em Novembro.

Já o Governo também aborda o cargo em si, e sublinha que a "Direcção de Cooperação para o Desenvolvimento é fundamental no apoio ao trabalho do Comité de Ajuda ao Desenvolvimento (CAD-OCDE), avaliando as políticas e promovendo a adopção das que se configuram mais eficazes na execução dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável".

"Assumindo também um papel determinante na recolha e análise de dados estatísticos sobre o financiamento do desenvolvimento, o CAD tem sido essencial para forjar os principais compromissos internacionais em matéria de desenvolvimento, trabalhando estreitamente com as Nações Unidas, o Banco Mundial, o FMI e os principais doadores mundiais", conclui.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Novas pensões mínimas serão sujeitas a prova de rendimento...

para se gastar mais dinheiros com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)


Camponio da beira Há 3 semanas

Claro que sim, sempre poderá aprender alguma coisa

Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.

pub
pub
pub
pub