Orçamento do Estado Governo corta previsão de crescimento para 1,2%

Governo corta previsão de crescimento para 1,2%

Segundo o Observador, o Governo estará a trabalhar com um crescimento de 1,2% este ano e 1,5% no próximo. Ambos são inferiores ao ritmo que foi registado em 2015, no ano passado.
Governo corta previsão de crescimento para 1,2%
Negócios 06 de Outubro de 2016 às 09:14

O Governo está a trabalhar com uma previsão de crescimento de 1,2% este ano, menos um terço do que era estimado no Orçamento para 2016 e no Programa de Estabilidade, de acordo com o jornal Observador. Em causa está o cenário macroeconómico com que o governo trabalha para a elaboração do Orçamento do Estado.

Para o próximo ano, o Governo estima que a economia não cresça mais que 1,5%, a um ritmo inferior do que o que foi verificado no ano passado (1,6%).


O Orçamento do Estado e o Programa de Estabilidade apontavam para um crescimento de 1,8% este ano. Nem no pior cenário do Orçamento do Estado nem na carta enviada à Comissão Europeia a defender-se contra eventuais sanções o Governo admitiu um crescimento inferior a 1,4%.

O cenário macro para 2017 ainda é provisório, porque terá de incorporar o impacto das decisões sobre medidas que ainda não estão tomadas. Contudo, tal como refere o Negócios na edição desta quinta-feira, a meta do défice deverá ficar acima dos 1,4% previstos no Programa de Estabilidade.

FMI espera crescimento ainda mais baixo

Já em Junho o ministro das Finanças admitia que a economia não teria o desempenho previsto no cenário traçado quando elaborou o orçamento do Estado, no início deste ano. O Brexit e a "deterioração" das relações económicas com alguns parceiros foram algumas das justificações apresentadas por Mário Centeno (na foto).

"É absolutamente claro que a actualização das variáveis condicionantes do cenário macroeconómico de Portugal que temos observado é por si justificativa de uma revisão do nível de crescimento em baixa", concluiu na altura, em entrevista ao Público.

Nas estimativas actualizadas na terça-feira, o FMI avançou com uma previsão de crescimento para Portugal de 1% este ano e 1,1% em 2017.




A sua opinião77
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.10.2016


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

comentários mais recentes
Olharapo 06.10.2016

É impressão minha ou o Centeno perdeu aquele sorrisozito imbecil com que nos agraciava no inicio das suas aparições?

Anónimo 06.10.2016

0,8% e com sorte! Com o Petróleo já acima dos 57$ Portugal está já em recessao!
E Com o gasóleo a 1,35 vais exportar mas é o Camoes!

Anónimo 06.10.2016


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015 (antes da reposição dos salários da FP).

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório da Eurydice.

Anónimo 06.10.2016

vergonha de governo e vergonha de ministro da finanças.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub