Segurança Social Governo está a "estudar" subida da TSU para quem tem trabalho dependente e recibos verdes

Governo está a "estudar" subida da TSU para quem tem trabalho dependente e recibos verdes

O princípio consta do Programa do Governo, respondeu a secretária de Estado da Segurança Social. Mas a medida está "em estudo", acrescentou Cláudia Joaquim, confirmando a notícia do Negócios.
Governo está a "estudar" subida da TSU para quem tem trabalho dependente e recibos verdes
Miguel Baltazar/Negócios
Catarina Almeida Pereira 19 de Outubro de 2016 às 12:24

O Governo é favorável à eliminação de isenções no caso dos trabalhadores que acumulam trabalho dependente com trabalho independente, indicou esta quarta-feira, 19 de Outubro, a secretária de Estado da Segurança Social (na foto à direita), ao responder que a medida está prevista no Programa do Governo. Cláudia Joaquim frisou, no entanto, que a questão ainda está em estudo, não havendo decisões tomadas sobre este assunto.

A proposta do Bloco de Esquerda – divulgada ao final da tarde de ontem pelo Negócios - parte do seguinte princípio: não é justo que uma pessoa com dois empregos de trabalho dependente pague contribuições para Segurança Social pela totalidade do seu rendimento do trabalho, enquanto uma pessoa que tem dois trabalhos (um dependente e outro a recibos verdes) desconte apenas sobre parte do seu rendimento. O objectivo é eliminar a isenção aplicável, neste caso, ao trabalho independente acima de um determinado limiar, suficientemente elevado para não apanhar quem faz apenas biscates. 

 

Questionada esta quarta-feira sobre se concorda com este princípio, a secretária de Estado da Segurança Social indicou que sim, ao responder que a questão consta do Programa do Governo, tal como o Negócios já tinha avançado.

 

"Nós estamos a estudar também essa questão e é um dos aspectos que consta no programa do Governo", disse Cláudia Joaquim, à margem de uma conferência sobre o futuro do trabalho, organizada pelo governo. A secretária de Estado não indicou a partir de que rendimento pode desaparecer a isenção: "Esse é um aspecto que estamos a estudar sem estar absolutamente nada fechado".

 

A secretária de Estado remeteu todas as explicações sobre tudo o que pode mudar neste regime para mais tarde, embora já se conheçam os contornos de algumas medidas, como o Negócios resume. 

 

"Temos estado a trabalhar no sentido de mudar o regime contributivo dos trabalhadores independentes. Esta é uma alteração cujos principais princípios constam do programa do Governo e também daquele que foi o acordo estabelecido com os parceiros [políticos] e que os principais aspectos de consenso neste momento são os que constam da autorização legislativa" que consta da proposta de Orçamento do Estado.

 

"Estamos a trabalhar sobre todo o regime e portanto é prematuro neste momento falar de aspectos mais concretos", acrescentou.




A sua opinião24
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.


comentários mais recentes
Alberto Neves Há 2 semanas

Toca a sacar !

Anónimo Há 2 semanas

Isto esta tudo a ser formatado para haver empreendorismo zero, desicentivar o esforço e vontade de ter sucesso, o objetivo passa por todos terem um emprego imutavel e cristalizado, eliminar tudo o que não seja emprego por conta de outrem, de preferencia na esfera do Estado. Em suma, vamos a caminho de uma sociedade socialista/comunista.

Ana Cristina Mendes Gomes Há 2 semanas

Incrível! Vale a pena ser parasita neste pais... Trabalhar para quê! Isto está a ficar insuportável...

Joao M. Horta Há 2 semanas

Palhaços, vão enganar o crlho

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub