Economia Governo gasta até dez milhões com baterias para os submarinos

Governo gasta até dez milhões com baterias para os submarinos

Num despacho publicado em Diário da República, o Executivo autoriza a realização de um procedimento por negociação para a compra de duas baterias para os submarinos da classe Tridente, que podem custar até dez milhões.
Governo gasta até dez milhões com baterias para os submarinos
Correio da Manhã
Rita Faria 24 de maio de 2016 às 10:14

O Governo português admite gastar até dez milhões de euros na compra de duas baterias para os submarinos da classe "Tridente", perante a aproximação do fim de vida útil destes acessórios colocados non navios comprados em 2004.

Num despacho publicado esta terça-feira, 24 de Maio, em Diário da República, o Executivo autoriza a realização de um procedimento por negociação com publicação de anúncio de concurso, "tendo em vista a formação de contrato de aquisição de duas baterias principais para os submarinos da classe Tridente, devidamente equipadas com os respectivos acessórios, até ao preço máximo de 10.000.000,00 euros (dez milhões de euros), valor sem IVA".

A compra das baterias será financiada através das verbas inscritas na Lei de Programação Militar, projecto "Modernização Aperfeiçoativa e Evolutiva SSG", para o qual o Governo autoriza a transição de um milhão de euros este ano, cinco milhões em 2017 e mais quatro milhões em 2018.

A necessidade de substituir este equipamento é justificada pela aproximação do fim do período de vida útil das baterias, situação que não garante "o normal funcionamento dos meios navais", e que tem um "forte impacto na autonomia destas unidades navais, com especial relevo e importância na sua operação em imersão".

É mais uma despesa a juntar à lista de gastos que o Governo tem tido com os dois submarinos que, em 2004, custaram mil milhões de euros ao Estado.

Em meados deste mês, o jornal i avançava que a Marinha gastou mais 410 mil euros na aquisição e instalação de uma antena-radar para o Arpão.

Citando o portal Base dos contratos públicos, o jornal refere que o contrato para esta aquisição foi celebrado por ajuste directo com a Thyssenkrupp Marine Systems-Kiel. Este foi celebrado a 5 de Novembro do ano passado e só agora publicado.

 

No mesmo dia a Marinha tinha celebrado um outro contrato com a Siemens, no valor de 922 mil euros, para a manutenção do motor de propulsão do Arpão.

 

No total foram celebrados nove contratos de aquisição e serviços de manutenção e inspecção dos dois submarinos, sendo que todos foram efectuados por ajuste directo. Só em 2014 os gastos ascenderam a 9,4 milhões de euros, refere o mesmo jornal. 




pub