Orçamento do Estado Governo não prevê mais pagamentos ao FMI este ano

Governo não prevê mais pagamentos ao FMI este ano

Na proposta de Orçamento do Estado, foi revisto em baixo o valor a amortizar ao FMI este ano. Para 2017, a previsão mantém-se em 1,5 mil milhões de euros.
Governo não prevê mais pagamentos ao FMI este ano
Miguel Baltazar
Rui Barroso 14 de Outubro de 2016 às 20:54

O Estado já não vai fazer mais reembolsos antecipados ao FMI este ano, segundo os dados constantes na proposta de Orçamento do Estado para 2017. Este ano, Portugal já havia amortizado quase dois mil milhões de euros ao Fundo. No entanto, além daquele valor, chegou a prever reembolsar mais 6,6 mil milhões de euros ao longo de 2016.

Em Setembro, a agência que gere o crédito público, o IGCP, reviu em baixa numa apresentação a investidores o montante a reembolsar ainda no decurso de 2016, passando a prever amortizar até final do ano cerca de quatro mil milhões de euros, em vez dos 6,6 mil milhões de euros. Esse factor esteve relacionado com a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, banco em que o Estado irá injectar 2,7 mil milhões de euros. E foi uma forma de evitar o recurso a novas emissões de dívida ou a uma diminuição considerável da almofada financeira.

Os quatro mil milhões de euros a reembolsar estavam dependentes da venda de activos como o Novo Banco, por exemplo. No entanto, na proposta do OE para 2017, o Governo prevê que em 2016 o valor das amortizações antecipadas ao FMI se fique apenas pelos 1,97 mil milhões de euros pagos no início do ano.

Apesar deste corte, a estimativa para os reembolsos antecipados em 2017 não sofreu qualquer aumento. Mantém-se nos 1,5 mil milhões de euros que eram já previstos pelo IGCP. "Espera-se ainda prosseguir o processo de pagamento parcial antecipado do empréstimo do FMI, antevendo-se uma amortização no valor de aproximadamente 1,5 mil milhões de euros", refere o documento apresentado esta sexta-feira, 14 de Outubro, pelo Governo.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Joao22 Há 3 semanas

Pronto ai esta, a divida fica para os nossos filhos. Como acreditar nestes vermelhos que nos querem vender a facilidade.

comentários mais recentes
Zé Manel Há 3 semanas

Eu sou óptimo a gastar o dinheiro dos outros e a não pagar as dívidas. Votem em mim!

Joao22 Há 3 semanas

Pronto ai esta, a divida fica para os nossos filhos. Como acreditar nestes vermelhos que nos querem vender a facilidade.

Susana Dias Há 3 semanas

Pois não vai pagar, o dinheiro ou ha-de ser para umas coisas ou para outras e depois andam para aí uns fofinhos a dizer que a dívida está a diminuir, como se não a pagam.

Rui Miguel Galrinho Há 3 semanas

É isso mesmo. Quem vier depois que pague

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub