Orçamento do Estado Governo prevê fuga de certificados de aforro. Aposta forte em certificados do tesouro

Governo prevê fuga de certificados de aforro. Aposta forte em certificados do tesouro

A proposta de Orçamento do Estado prevê uma fuga de certificados de aforro, que será compensada com as subscrições de certificados do tesouro de poupança mais.
Governo prevê fuga de certificados de aforro. Aposta forte em certificados do tesouro
Bruno Simão/Negócios
Rui Barroso 14 de Outubro de 2016 às 21:38

O retalho irá continuar a dar um contributo positivo para o financiamento do Estado no próximo ano, segundo as previsões constantes na proposta de Orçamento do Estado para 2017. Mas num montante bem menor que nos últimos dois anos. A quebra acontece à custa dos resgates previstos em certificados de aforro (CA), que deverão ser compensados pelas subscrições dos certificados do tesouro poupança mais (CTPM).

No total, estes dois produtos deverão contribuir com mil milhões de euros para o financiamento líquido do Estado em 2017. Um montante bastante inferior aos 3,5 mil milhões de euros previstos para este ano. E os CA serão os principais responsáveis para a queda do contributo do retalho. O Governo prevê resgates líquidos de dois mil milhões de euros nestes produtos ao longo de 2017.

Neste produto está agendada para o final deste ano o fim do prémio de 2,75% da série C, lançada em 2012. E Cristina Casalinho, presidente do IGCP, já indicou que não descarta a hipótese de se alteraram as taxas no final de 2016 ou início de 2017.

Apesar da previsão da perda de popularidade dos CA, nas contas do Governo os CTPM continuarão a atrair poupança. A previsão é de subscrições líquidas de três mil milhões de euros, 300 milhões abaixo do estimado para 2016.

Além dos CA e dos CTPM, o Estado lançou este ano as obrigações do tesouro de rendimento variável (OTRV). Foram feitas duas emissões, que permitiram angariar quase dois mil milhões de euros de financiamento este ano. No entanto, na proposta do OE não é isolada a previsão do montante a emitir através deste novo instrumento. 




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Albino Silva Há 2 semanas

Nem oferecidos

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Só se forem burros vão cair nesta esparrela , já viram que este governo ,nem uma girtingonça é, mas sim uma cambada de aldrabões qie conseguem levar na curva os pobres ignorantes , que com 50 euros a mais no bolso não sabem, que no fim do ano vão dar 150

Anónimo Há 2 semanas

Este sim o verdadeiro articulista , que tem a patente da palavra que hoje todos utilizam GIRINGONÇA.mais um excelente artigo sem papas na lingua e verdadeiro
http://observador.pt/opiniao/taxis-guterres-socrates-e-a-pobreza-de-portugal/

Anónimo Há 2 semanas

Sabem o que queria fazer Mário Soares em 1982 com os CA? melhor que não saibam, não vá o Costa querer fazer o mesmo mas desta vez a sério.

JORN NEG- UMA PORCARIA Há 2 semanas

REPETE 30 VEZES A MESMA NOTÍCIA DE 30 MODOS DIFERENTES- TUDO SE RESUME AO ORÇAMENTO E À PROPAGANDA DA PAFAS .

UM TAL ENCHER CHOURIÇO NUMA ELEMENTARIDADE DESCONCERTANTE !

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub