Segurança Social Governo quer avançar com alterações na TSU que penalizem contratos a prazo

Governo quer avançar com alterações na TSU que penalizem contratos a prazo

Governo diz a Bruxelas que vai discutir a diferenciação da taxa social única (TSU) em função do tipo de contrato. Há sete anos, Vieira da Silva chegou a aprovar um agravamento de três pontos (para 26,75%) nos contratos a prazo.
Governo quer avançar com alterações na TSU que penalizem contratos a prazo
Miguel Baltazar/Negócios
Catarina Almeida Pereira 18 de Outubro de 2016 às 09:46
O Governo revelou a Bruxelas que vai avançar com a discussão em concertação social sobre a diferenciação da taxa social única (TSU) segundo o tipo de contrato. Nos documentos enviados esta segunda-feira, 17 de Outubro, à Comissão Europeia, o Ministério das Finanças explica que o objectivo é criar incentivos a contratos permanentes.

"Para avançar na redução da segmentação e aumentar a estabilidade da integração no mercado de trabalho (que tem grandes implicações, permitindo maior planeamento familiar) o Governo vai discutir com os parceiros sociais a possibilidade de introduzir a diferenciação da taxa contributiva aplicada aos empregadores de acordo com o tipo de contrato celebrado com o trabalhador, de forma a criar um incentivo adicional aos contratos permanentes", lê-se no documento enviado a Bruxelas, que responde às recomendações aprovadas pelo Conselho Europeu.

A intenção foi definida como prioritária para este ano num documento que o Ministério da Segurança Social enviou ao Parlamento na altura da discussão do Orçamento do Estado para 2016, em Fevereiro.

Não será a primeira vez que Vieira da Silva o tenta fazer. Em 2009, chegou a estar previsto na lei o agravamento da taxa contributiva a cargo dos contratos a termo em três pontos (subindo para 26,75%) e a redução de um ponto para quem contrata sem termo (que passaria a suportar uma taxa de 22,75%). Mas a medida foi adiada de 2010 para 2011 numa altura em que o desemprego subia. Nunca chegou a ser implementada.

Em entrevista ao Negócios, em Maio, o ministro lembrou precisamente que já há uma formulação na lei, apesar de estar congelada."Essa lógica deve estar presente. Esse objectivo de tornar mais justo o sistema deve preservar um objectivo de neutralidade porque a carga contributiva que temos para suportar as políticas sociais é elevada". Na altura, o ministro revelava que é mais provável que a medida seja aplicada em 2018 do que em 2017. Mais recentemente, em entrevista ao Jornal Económico, explicou que deverá ser apresentada uma proposta "ainda na transição 2016/2017".

Com objectivos idênticos, já se admitiram diferentes tipos de desenho. A descrição enviada a Bruxelas aproxima-se mais da de Vieira da Silva do que da que o ministro das Finanças fez constar do programa do Governo, e que falava em "agravar a contribuição para a Segurança Social para as empresas que revelem excesso de rotatividade nos seus quadros". A intenção era subir a TSU em "algumas décimas" às empresas que mais despedem com direito a subsídio de desempreog, esclarecia Mário Centeno ao Negócios, quando ainda preparava o programa do PS.



A sua opinião24
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


Os ladrões de esquerda

PS ROUBA OS TRABALHADORES DO PRIVADO


PS = O partido dos mais Ricos

O PS apenas defende os interesses particulares de alguns grupos:


- Os empresários mais ricos (arranjou-lhes as PPP's);

- Os aposentados/reformados com pensões mais elevadas (opõe-se aos cortes);

- Os funcionários públicos (são os trabalhadores com salários mais elevados).


Os outros portugueses (a maioria)... que se lixem e paguem mais impostos e contribuições para sustentar os anteriores!


comentários mais recentes
fraud.he Há 2 semanas

Como é possível o principal banco nacional ter empregados a recibos verdes por dois três e quatro anos é de facto uma imoralidade ...

pertinaz Há 2 semanas

SIM

E JÁ AGORA PRÍBAM A INICIATIVA PRIVADA

ESQUERDALHA PIDESCA E ESTALINISTA

VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

Anónimo Há 2 semanas


Os ladrões de esquerda


PS . BE . PCP - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


Anónimo Há 3 semanas

O zarolho a querer alimentar ainda mais os parasitas do público!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub