Ambiente Governo quer remoção do amianto em 2017

Governo quer remoção do amianto em 2017

As entidades públicas responsáveis por instalações com materiais contendo amianto têm no próximo ano de levar a cabo iniciativas que vão desde o diagnóstico à remoção e destino final.
Governo quer remoção do amianto em 2017
Miguel Baltazar
Negócios 14 de Outubro de 2016 às 18:03

O Governo determina, na proposta de Orçamento do Estado para 2017, que durante o próximo ano "as entidades públicas responsáveis pelos edifícios, instalações ou equipamentos públicos em que se prestam serviços públicos que apresentem materiais contendo amianto" devem "proceder às devidas iniciativas relacionadas com o diagnóstico, monitorização, substituição, remoção e destino final do mesmo".

Segundo é referido no documento, esse processo decorrerá "nos termos a definir por resolução do Conselho de Ministros, com base nas propostas do Grupo de Trabalho relativo ao Amianto".

No final de Setembro, no Parlamento, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, sublinhou que 252 edifícios, considerados prioritários, vão ter intervenções para remover amianto.

Para a intervenção nesses edifícios, o investimento previsto, de acordo com o ministro, é de 46 milhões de euros.

As obras, de acordo com Matos Fernandes, deverão começar "no início de 2017 e concluídas até final de 2018".

Segundo o Ministério do Ambiente, são 2.892 os edifícios com amianto, dos quais 252 são prioritários e, destes, 76 "são primeira prioridade".

As obras do amianto podem ser realizadas através do programa para a eficiência energética dos edifícios da Administração Pública, área que tem uma verba de 200 milhões de euros.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Ainda nao e certo que aparecam fundos devido ao falhanco governamental,mas a caca ja esta pre anunciada.

Anónimo Há 3 semanas

Uma vergonha! Têm os alunos em barracões expostos ao amianto e às suas nefastas consequências e dizem-se defensores da Escola Pública.

pub
pub
pub
pub