Finanças Públicas Grécia 2017 vs Portugal 2013. Quem ganha?

Grécia 2017 vs Portugal 2013. Quem ganha?

Após uma tentativa falhada em 2014, a Grécia está a dar os primeiros passos para o regresso aos mercados, um percurso que Portugal começou a fazer em 2013. Em comparação, Atenas está pior na dívida, na banca e no emprego, mas cresce mais e beneficia de um contexto externo mais favorável.
Grécia 2017 vs Portugal 2013. Quem ganha?
Reuters
Uma comparação entre as previsões para a economia nacional em 2013, um ano antes de Portugal terminar o seu programa de ajustamento, e as previsões de 2017 para a Grécia – também a um ano de terminar o seu (terceiro) programa da troika – evidencia as forças e as fragilidades da economia helénica no início do seu percurso de acesso aos mercados.

A Grécia de Alexis Tsipras em 2017 cresce mais do que o Portugal de Pedro Passos Coelho em 2013 (ainda em recessão), e regista excedentes orçamentais primários na casa dos 3% do PIB – o que compara com um saldo equilibrado registado por Lisboa nesse ano. São estes resultados, juntamente com a perspectiva de Atenas terminar o seu programa com sucesso em Agosto de 2018 (o que lhe garantirá um novo alívio europeu nas condições de pagamento da sua dívida – que já são mais favoráveis que as de Portugal), que explicam que os investidores tenham exigido uma taxa de juro a cinco anos de 4,6% na emissão de dívida de ontem, abaixo dos 4,9% exigidos a Portugal na sua primeira emissão de 2013.

Mas estes números não escondem as enormes fragilidades gregas, de resto evidenciadas nos baixos "ratings" atribuídos à Grécia, bem abaixo dos atribuídos a Portugal a um ano de recuperar o acesso aos mercados. A Grécia permanece como uma das maiores dívidas públicas do mundo, bem maior do que a de Portugal em 2013, a que se junta mais malparado, uma banca dependente do financiamento do BCE e sujeita a controlo de capitais, e uma taxa de desemprego acima de 20%.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos 26.07.2017

GANHA PORTUGAL: 85.000 XULECOS EM BAIRROS SOCIAIS NO PORTO COM CASA A CUSTA DOS IMPOSTOS DOS OUTROS , EM LISBOA MAIS 90.000
GASTAM MAIS EM TELEMOVEL DO QUE PAGAM DE RENDA DE CASA
ALIAS, OS DA ALTA DE LISBOA XULECOS JA DEIXARAM DE PAGAR RENDA A GEBALIS

Bruno 26.07.2017

3 regaste depois...

pub