Zona Euro Grécia supera metas dos credores com excedente primário de 3,9%

Grécia supera metas dos credores com excedente primário de 3,9%

Atenas atingiu um excedente primário de 3,9% no ano passado, quando o objectivo fixado pelos credores era de apenas 0,5%.
Grécia supera metas dos credores com excedente primário de 3,9%
Reuters
Negócios 21 de abril de 2017 às 13:34

Excluindo o pagamento de juros da dívida pública, a Grécia fechou o ano de 2016 com um excedente orçamental equivalente a 3,9% do PIB, superando as metas fixadas pelos credores, que pediam a Atenas um excedente primário de 0,5%.

Estes resultados, alcançados à custa de uma subida da receita pública e cortes na despesa, causam, porém, alguma desconfiança ao Fundo Monetário Internacional (FMI) que já admitiu como provável que pelo menos metade do excedente primário tenha resultado de medidas temporárias e não de reformas estruturais com impacto a longo prazo.

A verdade é que os números mostram que o Governo apertou o cinto no final do ano passado, reduzindo a despesa de 95,2 mil milhões de euros para 86,1 mil milhões.

O FMI, que tem insistido em metas mais baixas para o excedente primário, referiu inclusive nas suas últimas previsões que o aumento temporário da receita deverá dissipar-se, empurrando este indicador para 1,8% este ano.

Apesar de o Governo do Syriza "comemorar" a inversão do rumo das finanças públicas, a economia grega voltou a contrair no final de 2016 e o desemprego não dá sinais de descida.

Dados do gabinete estatístico de Atenas, o Elstat, mostram que a taxa de desemprego se manteve estável nos 23,5%, em Janeiro, que o PIB contraiu 1,1% no último trimestre de 2016 e que o rácio da dívida em relação ao PIB subiu de 177% para 179%.

Não obstante as reticências em voltar a participar num resgate à Grécia sem uma substancial redução da dívida helénica, o FMI poderá financiar o actual programa com uma "pequena quantia durante um ano", como afirmou esta quinta-feira, 20 de Abril, o porta-voz do Governo de Alexis Tsipras.

 

Dimitris Tzanakopoulos explicou que a ideia é o FMI co-financiar, juntamente com os europeus, o último ano do resgate, que termina em Agosto de 2018.

 

Na próxima terça-feira, 25 de Abril, os chefes da missão da UE e do FMI vão voltar a Atenas para tentar finalizar um conjunto de reformas que a Grécia aceitou adoptar para convencer a instituição liderada por Christine Lagarde a participar com recursos no seu actual programa de resgate.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias

O combate à corrupção, excedentarismo, sobrepagamento e demais despesismo que a troika dirigiu nos Estados falidos e dependentes do sul da UE, começa a dar os seus frutos. Que assim continuem.

comentários mais recentes
justo Há 5 dias

Os credores estao gregos para entenderem
Marteladas a portuguesa.

Anónimo Há 5 dias

Imaginemos que o Reino Unido não tinha reduzido em 1 milhão o número de colaboradores excedentários, redundantes ou obsoletos identificados no seu sector público, numa tarefa tão decidida quanto decisiva que o governo britânico reeleito ainda não deu por concluída apesar desta redução significar que o país atingiu o menor número de funcionários públicos desde a 2ª Guerra Mundial, ou o Canadá e a Austrália no seu conjunto, mais de 50 mil funcionários federais de que não necessitavam, só entre 2011 e 2015. Imaginemos que os EUA, mesmo usufruindo da sua excepcional capacidade para criar e capturar valor na economia nacional e mundial, não têm um grave problema orçamental e de excedentarismo no sector público por resolver, apesar da proporção de empregados pelo sector público face ao emprego total da economia ser actualmente a segunda mais baixa desde 1960 e de recentemente terem reduzido o número de funcionários federais para o valor mais baixo desde 1966. Seriam países muito pobres.

Anónimo Há 5 dias

O combate à corrupção, excedentarismo, sobrepagamento e demais despesismo que a troika dirigiu nos Estados falidos e dependentes do sul da UE, começa a dar os seus frutos. Que assim continuem.

Anónimo Há 5 dias

Foi o Centeno. Não foram as reformas pró-equidade e sustentabilidade da troika. Ponham o tipo já no Eurogrupo.

ver mais comentários
pub