Europa Greve geral na Catalunha junta milhares a pedir libertação dos "presos políticos"

Greve geral na Catalunha junta milhares a pedir libertação dos "presos políticos"

Apesar de a mobilização não ter sido tão grande quanto esperaria o bloco soberanista catalão, a greve geral na Catalunha juntou milhares de pessoas em Barcelona a pedirem a libertação dos ex-ministros detidos pela Justiça espanhola.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
David Santiago 08 de novembro de 2017 às 13:35

A greve geral marcada para esta quarta-feira, 8 de Novembro, na Catalunha por sindicatos (embora não apoiada pelos representativos Comissão de Obras e UGT) e apoiada pelos partidos (PDeCAT, ERC e CUP) e organizações (ANC e Òmnium Cultural) independentistas juntou milhares de pessoas na praça de Sant Jaume, no centro de Barcelona, que pedem a libertação de todos os "presos políticos".

Apesar de como escreve o El País a greve geral não estar a ter grande adesão, o catalão La Vanguardia adianta que a partir das 19:00 locais (menos uma hora em Lisboa) são esperadas mais pessoas não apenas no centro de Barcelona mas também em frente aos edifícios das câmaras municipais das principais localidades.

Os vice-presidente da organizações cívicas independentistas, cujos presidentes ( os dois "Jordis") estão detidos acusados do crime de sedição, falaram na capital catalã para declarar que "a Catalunha está hoje presa" e exigir o fim imediato "da repressão".

Já esta manhã, o tribunal madrileno Audiência Nacional recusou a libertação condicional de Jordi Cuixart, presidente da Òmnium Cultural, argumentando que a ida do presidente deposto do governo catalão, Carles Puigdemont, para a Bélgica mostra que aumentou o risco de fuga.


Aos gritos contra Madrid e a invocação do artigo 155 da Constituição que permitiu ao governo espanhol tomar as rédeas da Catalunha juntaram-se loas à independência catalã.

Além da ida para as ruas, a greve geral faz-se sentir também na mobilidade, já que foram cortados 54 troços de estradas, 20 em Barcelona. Contudo, o El País assegura que os transportes públicos estão a funcionar dentro da normalidade.

Há indicações de que a polícia catalã (Mossos d’Esquadra) está a actuar para repor a circulação nas vias de comunicação catalãs. Havia expectativa relativamente ao comportamento desta força de segurança depois de não ter acatado as ordens de Madrid ao não contribuir para impedir a realização do referendo independentista de 1 de Outubro (1-O).

Foram também noticiados alguns episódios de violência. O La Vanguardia tem registo em vídeo de uma carga da Polícia Nacional contra um piquete de greve em Barcelona. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Sensato Há 2 semanas

Força Catalunha! Não tenham medo pois David também derrubou Golias! Aqui depois de 1640 e já lá vão 4 séculos ainda temos um "lambe botas" de um Presidente que se refere ao Rei de Espanha como " Sua Majestade" e governantes que se pudessem vendiam ou davam Portugal à espanholada! Viva A República!

Anónimo Há 2 semanas

A Catalunha a colocar o imperialismo da Península no seu devido lugar.

pub