Europa Guindos: Secessão da Catalunha resultará numa contracção de 30% do PIB catalão

Guindos: Secessão da Catalunha resultará numa contracção de 30% do PIB catalão

O ministro espanhol das Finanças considera que a independência da Catalunha seria uma decisão "irracional" até porque 75% da produção catalã passaria a estar sujeita a tarifas. Guindos garante que a secessão da Catalunha face a Madrid resultaria numa quebra de 25% a 30% do PIB catalão.
Guindos: Secessão da Catalunha resultará numa contracção de 30% do PIB catalão
David Santiago 18 de setembro de 2017 às 16:22

O principal resultado da independência da Catalunha seria um "brutal empobrecimento" da sociedade catalã, avisou Luis de Guindos. O ministro espanhol das Finanças avisou esta segunda-feira, 18 de Setembro, que a secessão catalã relativamente ao reino espanhol implicaria uma "contracção de 25% a 30%" do PIB daquela região autonómica bem como uma duplicação da taxa de desemprego.

 

Em declarações feitas esta manhã à rádio espanhola Cope, Guindos sustentou que uma eventual decisão com vista à secessão da Catalunha seria "irracional", principalmente em termos económicos já que 75% da produção catalã ficaria sujeita a tarifas alfandegárias.

 

Por outro lado, avisou o governante espanhol, a constituição de uma República independente da Catalunha deixaria aquela região fora não só do reino de Espanha mas também da União Europeia e da Zona Euro. A criação de uma nova divisa na Catalunha redundaria numa desvalorização de cerca de 40% face à cotação actual do euro, disse ainda Guindos.

 

A culminar estas afirmações, o ministro assegurou que o governo central de Madrid nunca permitirá que a Catalunha se separe. Uma decisão favorável à independência "é tão irracional que a Europa não a vê como um cenário viável e o governo de Espanha nunca permitirá que isso aconteça".

 

As autoridades do governo catalão (Generalitat) persistem na intenção de realizar um referendo popular independentista no próximo dia 1 de Outubro, dando assim seguimento ao rumo iniciado ainda pelo anterior governo daquela região, então liderado por Artur Mas e que, em 2014, promoveu uma consulta popular não vinculativa depois de o Tribunal Constitucional (TC) ter inviabilizado a realização de um referendo vinculativo.

 

Apesar de essa consulta – marcada pela fraca participação – ter redundado numa clara vitória do "sim" à independência, as sondagens apontam para agora para um resultado renhido num eventual referendo, embora indiciando uma vantagem para o lado do "não" à secessão.

 

O governo liderado por Mariano Rajoy garante que utilizará todos os meios para impedir a realização do referendo, já declarado inconstitucional pelo TC e promovido pela Generalitat, estando em cima da mesa a mobilização de forças militares e de segurança.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 20.09.2017

Esta coisa de dizerem que a Catalunha independente fica de fora da União Europeia e do Euro dá vontade de rir. É claro que tinha de ficar dentro como sempre esteve. A menos que não queira.
São os mesmos medos que criaram nos escoceses. Agora que o Reino Unido vai sair dizem que a Escócia pode ficar

Pierre Ghost 18.09.2017

...e de Guindos tem muita razão!!!
Quem decide o futuro da Catalunha são TODOS os espanhois...e não apenas MEIA DUZIA de Catalaes !!!
Andam todos a ver muitos filmes " Brave Heart "....

David 18.09.2017

O governo espanhol está muito preocupado com a pobreza que pode atacar a Catalunha e em força. Os catalãos (como diria o génio da banalidade) não podem decidir porque Madrid é que sabe o que é bom para eles. E uma desvalorização era uma maravilha: o Messi saía logo no ano a seguir.

pub