Mundo Guterres viaja esta quinta-feira até Moscovo para se reunir com Putin

Guterres viaja esta quinta-feira até Moscovo para se reunir com Putin

O secretário-geral eleito da ONU vai reunir-se com o presidente russo já na próxima quinta-feira, em Moscovo. Os conflitos na Síria e na Ucrânia estão na agenda da conversa.
Guterres viaja esta quinta-feira até Moscovo para se reunir com Putin
Reuters
David Santiago 23 de Novembro de 2016 às 16:55

Ainda não está empossado como secretário-geral das Nações Unidas mas António Guterres já pôs mãos ao trabalho. Na próxima quinta-feira o português que no dia 1 de Janeiro assume a liderança da ONU vai até Moscovo para se reunir com o presidente russo, Vladimir Putin.

 

De acordo com a informação que consta da página oficial da presidência russa, o encontro de amanhã entre Guterres e Putin servirá desde logo para discutir a necessidade de reforço do papel da ONU enquanto actor central nas Relações Internacionais assim como a importância de garantir uma maior efectividade ao trabalho desenvolvido pela instituição.

 

Moscovo acrescenta ainda que na agenda estará também o combate ao terrorismo e os conflitos em curso na Síria e também no Leste da Ucrânia (Donbass).

 

Na semana passada, uma das colaboradoras escolhidas por Guterres para a sua equipa de transição, Melissa Fleming, anunciava que Guterres vai "visitar a maior parte dos membros do Conselho de Segurança" das Nações Unidas.

 

Depois de já ter estado em Londres e em Paris, Guterres vai agora até Moscovo. Ficando somente a faltar Pequim e Washington para completar as capitais dos cincos membros do Conselho de Segurança (P5).

 

Esta terça-feira, Guterres participou numa conferência realizada na Gulbenkian, em que defendeu que a crise dos refugiados é "provavelmente o mais dramático desafio que enfrentamos no mundo de hoje". Sabe-se que, entre vários factores, a guerra civil que se prolonga na Síria há cinco anos é o conflito que mais contribuiu para o avolumar da vaga de refugiados que se verificou nos últimos anos.

 

A Rússia tem um papel decisivo na Síria, tendo sido depois da entrada de Moscovo, em Setembro de 2015, no conflito que o regime sírio do presidente e aliado de Putin, Bashar al-Assad, reconquistou boa parte do território perdido para as forças da oposição a Damasco. Umas das curiosidades em relação ao mandato de Guterres está relacionada com a relação que a organização vai manter com uma Rússia cada vez mais interventiva no plano externo. Aquando da aclamação de Guterres pelo Conselho de Segurança, o embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin afirmou que a escolha de Guterres era a melhor decisão tomada por este órgão nos últimos cinco anos.

 

Um factor desestabilizador que pende também sobre António Guterres prende-se com o papel que os Estados Unidos sob a presidência de Donald Trump vai assumir relativamente à ONU. Já depois de o ainda presidente norte-americano, Barack Obama, ter prometido o "apoio contínuo" dos EUA às Nações Unidas, na semana passada Guterres sustentou que o "importante é estabelecer um diálogo com a nova administração norte-americana e encontrar as fórmulas para manter a cooperação que tem existido" entre os Estados Unidos e a ONU.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Vai receber mais um causa-honoris vestido de PALHACO?

pub
pub
pub
pub