Mundo Guterres próximo de conhecer o seu futuro

Guterres próximo de conhecer o seu futuro

Os membros do Conselho de Segurança da ONU votam esta quarta-feira para escolher o novo secretário-geral da organização, que poderá ser o português António Guterres, até agora favorito, num processo que pode ficar logo encerrado.
Guterres próximo de conhecer o seu futuro
Reuters
Lusa 05 de Outubro de 2016 às 08:01

Após cinco votações preparatórias, em que os votos dos 15 membros do Conselho de Segurança não eram discriminados - e que apontavam para Guterres como sucessor do sul-coreano Ban Ki-moon -, desta vez, os votos dos cinco membros permanentes (Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido) serão conhecidos, ficando exposto qualquer veto.

 

Embora se trate de um processo com poucas regras - o que dá aos membros do Conselho de Segurança, sobretudo aos permanentes, muita margem para decidir os próximos passos -, à partida, se algum dos cinco vetar algum dos nomes, esse candidato acabará por abandonar a corrida ao cargo.

 

Depois de a Rússia ter na terça-feira anunciado que apoiará uma mulher da Europa de Leste - requisitos que só duas candidatas búlgaras preenchem, Irina Bokova e Kristalina Geogieva -, mesmo que Guterres obtenha o apoio de nove países e nenhum veto dos membros permanentes, o órgão executivo das Nações Unidas pode decidir realizar mais votações.

 

António Guterres venceu as cinco primeiras votações destacado, sendo o único que ultrapassou o mínimo de nove apoios, mas teve sempre entre dois e três votos "desencoraja".

 

Se mantiver o mesmo resultado e um dos votos negativos pertencer a um dos cinco permanentes, o seu nome não pode ser sequer recomendado.

 

A entrada da búlgara Kristalina Georgieva na corrida, na semana passada, também pode levar a mais rondas de votações, necessárias para clarificar o posicionamento de todos os países.

 

Num ano em que a ONU tentou trazer transparência ao processo, realizando audiências públicas, entrevistas e debates com os 12 candidatos iniciais, a entrada tardia da vice-presidente da Comissão Europeia foi recebida com desconfiança por alguns países e entusiasmo por outros.

 

Há dez anos, quando Ban Ki-moon foi escolhido, a primeira votação deste tipo foi, também, a última.

 

Nesse dia, 2 de Outubro de 2006, Ban Ki-moon recebeu 14 votos "encoraja" e apenas um "sem opinião", o que precipitou a desistência de todos os outros candidatos no dia seguinte.

 

Uma semana mais tarde, a 9 de Outubro, o Conselho de Segurança aprovou por aclamação a resolução que recomendava o nome do sul-coreano. 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Montrond 05.10.2016

"Guterres próximo de conhecer o seu futuro"... Todos já sabemos qual o seu futuro. O seu futuro foi decidido por Merkel e Ban Ki-moon, que resolveram, à revelia de todas as regras de bom senso, lançar uma candidata-paraquedista chamada Kristina Georgieva. Como não contavam que a candidatura de António Guterres tivesse tanto sucesso, entraram em pânico, e decidiram lançar mão da solução de emergência conhecida. Podem ter conseguido levar água ao seu moinho, mas prestaram um péssimo serviço à ONU e ao Mundo. Podem, desde já, marcar viagem para a China, a fim de começarem a limpar as mão da sujeira que fizeram nas... paredes das Muralhas da China, porque vão ter muito que limpar…

comentários mais recentes
Gosto de Guterres 05.10.2016

Gosto de Guterres, mas já estou farto de ver esta malta empenhada em lhe arranjar emprego. Esta malta, devia também se empenhar para arranjarem emprego aos Portugueses que querem trabalhar em Portugal ou fora do País.

Fididido 05.10.2016

ESTA ELEIÇÃO VAI FICAR MARCADA PELA MAIOR ANTI-DEMOCRACIDADE DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE, VAI SER A MAIOR FARÇA ALGUMA VEZ VISTA! ACABEM COM ESTAS ELEIÇÕES PARA A ONU, OS SENHORES QUE MANDAM NISTO TUDO QUE NOMEIEM QUEM ELES QUEIRAM..

Daniel Beja 05.10.2016

Uma palhaçada, e assim anda a democracia pelo mundo.

Mirtilo Pujante 05.10.2016

Vamos Kristalina!

ver mais comentários
pub