Conjuntura Há 2,6 milhões de portugueses em risco de pobreza ou exclusão social

Há 2,6 milhões de portugueses em risco de pobreza ou exclusão social

O INE publicou dados sobre a pobreza de 2015, mas também alguns números já para este ano. Inquérito feito em 2016 conclui que há 2,6 milhões de portugueses em risco de pobreza ou exclusão social.
Há 2,6 milhões de portugueses em risco de pobreza ou exclusão social
Bruno Simão/Negócio
Nuno Aguiar 15 de dezembro de 2016 às 13:02

Estas pessoas correspondem à população que está em risco de pobreza, que vive em agregados onde os adultos trabalharam menos de 20% do tempo que era possível ou que está numa situação de "privação material severa". Tudo somado, um em cada quatro portugueses estão nessa situação (25,1%).

 

Importa referir que estes dados são diferentes do risco de pobreza, que o INE também publicou esta manhã. Nesse caso, a percentagem reflecte o número de pessoas que vive com menos de 439 euros por mês, o equivalente a 60% da mediana do salário líquido em Portugal.

 

O INE explica que a estratégia Europa 2020 definiu como objectivo reduzir em 20 milhões o número de pessoas "em risco de pobreza ou exclusão social na União Europeia". Nesse sentido, foi definido um indicador harmonizado que permite avaliar o cumprimento desse objectivo, juntando conceitos de pobreza relativa, privação material e integração no mercado de trabalho.

 

"De acordo com o inquérito realizado em 2016, 2,6 milhões de pessoas encontravam-se em risco de pobreza ou exclusão social (pessoas em risco de pobreza ou vivendo em agregados com intensidade laboral per capita muito reduzida ou em situação de privação material severa)", pode ler-se na publicação do INE. "Consequentemente, a taxa de pobreza ou exclusão social é de 25,1%, menos 1,5 pontos percentuais do que no ano anterior."

 

8,4% dos portugueses em privação material severa

 

Como se calcula a privação material de uma pessoa? O INE parte de nove itens relacionados com as "necessidades económicas e de bens duráveis" de uma família. Não ter acesso a três deles faz com que essas pessoas sejam classificadas como estando em privação material. Se não tiver acesso a quatro ou mais essa privação material é considerada "severa". "Em 2016, a taxa de privação material dos residentes em Portugal é de 19,5% e a taxa de privação material severa é de 8,4%, mantendo-se a tendência de redução das duas séries", referem os técnicos do INE.

 

Segundo estes dados, em 2016 47,2% dos portugueses vivem em agregados familiares que não conseguem pagar uma semana de férias fora de casa. O valor parece alto, mas ainda assim apresenta um recuo face aos 51,3% de 2015. 38,3% não tem capacidade para fazer face a uma despesa inesperada que ronde o valor da linha da pobreza (um pouco acima dos 400 euros); 22,5% está integrada num agregado familiar que não tem dinheiro para manter a casa aquecida; e 9,3% não tem capacidade para pagar a tempo a renda ou outras despesas correntes.


A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.12.2016


Os ladrões de esquerda

PS - e seus apoiantes - ROUBAM A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e CGA.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)


comentários mais recentes
Anónimo 15.12.2016

Comecem pela casa que deve dar exemplos de disciplina. 180 deputados, estorvam menos que 230 e custarão também menos à Pátria. A vergonhosa pobreza de que se fala, é consequência, em grande parte, do assalto sofrido por "agora, este pobre país" em 1974!!!

alberto.sousa.18007218 15.12.2016

São uma nódoa, os cães de guerra, que a fomentam e fazem milhões, á custa do sofrimento alheio. São uma nódoa, os responsáveis políticos, por essas mesmas guerras, que, desde que me conheço, já assisti. São uma nódoa, os que voluntáriamente, se prestam a alimentar essas guerras, com o fim unico, de receberem soldo de sangue, como pagamento.São uma nódoa, os Srsº do poder económico que fomentam a miséria de biliões de seres humanos, em todo o planeta. Dizem eles que criam riqueza, porèm se o fazem, é só para eles. Não existe nisso qualquer sentido de patriotismo. Só hipócrisia e ganância existe, neste 3º calhau a contar do Sol.

Anónimo 15.12.2016


Os ladrões de esquerda

PS - e seus apoiantes - ROUBAM A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e CGA.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)


Anónimo 15.12.2016

È sinal que o país está cada vez melhor,segundo apregoam os nossos politicos.Está melhor para eles, cada vez engordam mais, e o zé povinho que se fo...a@

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub