Justiça Hélder Bataglia constituído arguido na Operação Monte Branco

Hélder Bataglia constituído arguido na Operação Monte Branco

Hélder Bataglia foi interrogado outra vez esta semana, avança o Correio da Manhã, que acrescenta que o ex-presidente da Escom terá sido constituído arguido, agora na Operação Monte Branco. A PGR confirmou que o responsável ficou sujeito à medida de coacção de termo de identidade e residência.
Hélder Bataglia constituído arguido na Operação Monte Branco
Bruno Simão/Negócios
O Correio da Manhã noticiou esta sexta-feira, 3 de Fevereiro, que Hélder Bataglia foi constituído arguido no âmbito da Operação Monte Branco, depois de ter voltado a prestar depoimento.

A PGR entretanto já confirmou a informação. "Confirma-se que Hélder Bataglia foi constituído arguido e interrogado pelo Ministério Público no âmbito do processo Monte Branco". 

 

"O arguido, que é suspeito da prática de factos susceptíveis de integrarem os crimes de branqueamento, burla e fraude fiscal, ficou sujeito à medida de coacção de termo de identidade e residência", acrescenta a mesma fonte ao Negócios. 


As declarações de Bataglia terão, segundo o mesmo jornal, voltado a comprometer Ricardo Salgado. 

O caso Monte Branco começou a ser investigado em 2011, na sequência da Operação Furacão tornada pública em 2005.

Hélder Bataglia tinha já prestado depoimento no dia 5 de Janeiro, mas desta feita no âmbito da Operação Marquês, processo no qual também é arguido. Segundo noticiou o Expresso, o ex-presidente da Escom terá prestado depoimento durante 10 horas, tendo prestado declarações que terão ditado o inquérito de Ricardo Salgado, que foi constituído arguido posteriormente.


O Expresso dizia na edição do último fim-de-semana que o depoimento do de Bataglia "reforça os indícios de culpabilidade do ex-primeiro-ministro", José Sócrates.

Bataglia terá dado informações que indiciam como motivo para a alegada corrupção de Sócrates ter a ver com vários processos que envolvem a Portugal Telecom, nomeadamente o chumbo à OPA da Sonae e, mais tarde, à venda da Vivo e entrada na Oi. O Expresso diz que o Ministério Público acredita que os alegados pagamentos a Sócrates começaram a 2007 através de um primo - José Paulo Pinto de Sousa.


(Notícia actualizada, pela segunda vez, às 18:08 com mais informação)

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 03.02.2017

Afinal ainda vamos ver para onde foi o Leite....escorreu...

pertinaz 03.02.2017

ESPEREMOS QUE O HOMEM SE MANTENHA VIVO

Anónimo 03.02.2017

Então mas o acordo que fez com o sistema instalado, não o ilibou de tudo, ou isto é só para desviar as atenções?!

pub