Américas Hillary Clinton ganha voto popular por quase 2,9 milhões de votos

Hillary Clinton ganha voto popular por quase 2,9 milhões de votos

É a maior margem de votação popular alguma vez conseguida por um candidato presidencial perdedor.
Hillary Clinton ganha voto popular por quase 2,9 milhões de votos
Reuters
Lusa 22 de dezembro de 2016 às 19:56
A candidata presidencial democrata Hillary Clinton conseguiu mais quase 2,9 milhões de votos do que o Presidente dos Estados Unidos eleito, Donald Trump, segundo dados finais hoje divulgados pela agência noticiosa norte-americana Associated Press (AP).

De acordo com a AP, os resultados certificados dos 50 Estados norte-americanos federais e do distrito de Columbia (onde está localizada a capital federal Washington) mostram que Clinton conseguiu quase 65.844.610 milhões de votos (48%) e Trump cerca de 62.979.636 milhões de votos (46%).

Hillary Clinton é o quinto candidato presidencial na história dos Estados Unidos que ganha o voto popular mas que perde o Colégio Eleitoral, o processo que integra 538 "grandes eleitores", representativos dos Estados norte-americanos, e que é responsável pela eleição do Presidente.

Um desses casos foi o do também democrata Al Gore, que recebeu mais 540.000 votos populares do que o republicano George W. Bush, que seria confirmado pelo Colégio Eleitoral como chefe de Estado.

Foram muitos os americanos que defenderam que o Colégio devia declarar a candidata Hillary Clinton como vencedora, por causa da discrepância do voto popular, e questionaram a própria validade democrática deste processo.

Os esforços nesse sentido falharam e na passada segunda-feira os "grandes eleitores" reuniram-se nas respectivas capitais estaduais e confirmaram Trump como Presidente.

Com estes votos contabilizados, Trump angariou a maioria dos "grandes eleitores", 304, e Hillary Clinton 227.

Para ser o Presidente eleito, o vencedor tem de conseguir, no mínimo, 270 "grandes eleitores".

Nove dias depois da votação dos "grandes eleitores", a 28 de Dezembro, o presidente do Senado e outros responsáveis federais e estaduais devem ter "os certificados de voto" em mãos.

A 6 de Janeiro, o Congresso reúne-se numa sessão conjunta para contar os votos. Desta vez, o ainda vice-presidente americano, Joe Biden, na qualidade de presidente do Senado, irá presidir a sessão. Os votos de cada Estado são abertos e registados por ordem alfabética. Biden anuncia então os resultados e declara os nomes do novo Presidente e do novo vice-presidente.

Donald Trump, o 45.º presidente dos Estados Unidos, será empossado a 20 de Janeiro numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub