Europa Mark Rutte: Holanda disse ‘basta’ ao lado errado do populismo

Mark Rutte: Holanda disse ‘basta’ ao lado errado do populismo

Com 95% dos votos contados confirmam-se as projecções divulgadas após o fecho das urnas: o partido de centro-direita do primeiro-ministro Mark Rutte venceu as eleições, relegando a extrema-direita de Geert Wilders para a segunda posição.
Mark Rutte: Holanda disse ‘basta’ ao lado errado do populismo
Reuters

"Parece ser a terceira vez consecutiva que o VVD é o maior partido da Holanda", disse o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, assim que começaram a ser divulgadas as primeiras contagens de votos das eleições legislativas realizadas na quarta-feira e que colocaram o seu partido na "pole position".

 

"Já recebi imensos telefonemas dos meus colegas europeus. Esta é a noite em que a Holanda, depois do Brexit e de Trump, disse ‘basta de estarmos do lado errado do populismo", acrescentou o governante, citado pelo The Guardian.

Para Rutte, os resultados destas eleições são "um festival de democracia". Já com 95% dos votos contabilizados - e uma participação eleitoral de 80,2% - o VVD de Mark Rutte garante 33 mandatos, menos oito do que em 2012, enquanto a extrema-direita de Wilders (PVV) alcança 20 assentos parlamentares, mais cinco do que nas últimas legislativas.

Nota ainda para a confirmação dos ecologistas de Jesse Klaver (GL) como o partido que mais sobe, passando de quatro para 14 mandatos. Por fim, nota ainda para a confirmação da "pasokização" dos trabalhistas (PvdA, partido minoritário da coligação de Governo), que deixam de ser a segunda maior força do país ao eleger apenas nove deputados.

É indicado por este partido da actual coligação que Jeroen Dijsselbloem ocupa o cargo de ministro das Finanças da Holanda e, por essa via, a presidência do Eurogrupo. Uma posição entre os titulares da Finanças do euro que fica ameaçada a partir de agora, com a redução de peso político do PvdA nas eleições.


O resultado segue, assim, dentro do estimado. Todas as projecções à boca das urnas, divulgadas logo após o fecho das assembleias de voto (20:00 em Lisboa) coincidiram na atribuição da vitória ao VVD, o partido de centro-direita do primeiro-ministro Mark Rutte.

O actual partido maioritário da coligação que governa a Holanda terá, segundo a projecção da estação estatal NOS, alcançado 31 assentos no Parlamento, ainda assim uma importante quebra face às legislativas de 2012 em que elegeu 41 deputados. 

Ao contrário do que chegou a ser temido em várias capitais europeias, a força de extrema-direita e anti-islão liderada por Geert Wilders (PVV) não só não venceu, como não terá ido além dos 19 deputados. Também com 19 deputados terão ficado democratas-cristãos (CDA) e liberais (D66).

Do lado dos vencedores há ainda que realçar os 16 assentos conquistados pelos Verdes (GL) do carismático líder Jesse Klaver, que há cinco anos se tinha ficado por somente cinco deputados. 

Porém, o grande derrotado foi mesmo o PvdA (trabalhistas e até aqui o partido mais representativo do centro-esquerda). Esta força júnior da coligação governativa terá eleito apenas nove deputados, perdendo 29 em relação a 2012. Por outro lado, destaque ainda para a forte participação eleitoral, que segundo a projecção do Ipsos (divulgada por volta das 21:00 em Lisboa) terá ascendido a 82%, a maior afluência às urnas em 31 anos.

Tendo em conta as projecções e o facto de nenhuma força se aproximar sequer dos 76 assentos necessários para alcançar a maioria, haverá agora negociações entre os 13 partidos com assento parlamentar (mais dois do que até aqui). Mas nesta altura é ainda difícil antecipar o resultado final das conversações que terão lugar a partir do momento em que os resultados forem finais. 

À partida já se sabe que VVD e PvdA não conseguem reeditar a actual coligação, necessitando de acordos adicionais para chegar aos 76 deputados. Sendo que há também a possibilidade de o VVD de Rutte tentar negociar uma coligação de direita, tal como a que governava antes das eleições antecipadas de 2012, provocadas depois de Wilders ter saído dessa solução de Governo. Contudo, mesmo o bloco tradicional da direita - VVD, PVV e CDA - apesar de manterem a soma de deputados de 2012 (69 assentos), não basta para alcançar uma maioria estável. 

Difícil ou mesmo impossível é um cenário de governo das esquerdas, já que o bloco da esquerda deverá - PvdA, Verdes (GL) e SP (ex-comunistas) - somar só 39 deputados, perdendo 18 assentos relativamente às legislativas de há cinco anos.

(notícia actualizada pela última vez às 10:25 de quinta-feira, 16 de Março, com 95% dos votos contados)


A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.03.2017

Chinesshangai, deve perceber muito de assuntos chineses, de europeus não percebe nada. O nosso espectro politico está todo encostado à esquerda. Nos paises do norte da Europa não existem partidos extremistas, anti democraticos e populistas como o PCP e o Bloco de Esquerda, o nosso PS corresponde aos partidos da extrema esquerda de lá, os nossos PSD e CDS correspondem à esquerda e direita moderadas de lá e por cá não existe extrema direita. Percebeu ou quer um desenho?

comentários mais recentes
jose.a.casimiro 16.03.2017

A moda do populismo - https://goo.gl/mBQ4Ut

Anónimo 16.03.2017

Resposta a José. Pois eu vivi 23 anos no anterior regime e afirmo que a juventude tinha um futuro bem melhor do que aquele que agora tem! Hoje só estão razoáveis os funcionários publicos e os pensionistas.O resto são pobres. Então quem entra agora para o mercado de trabalho,nem salário minimo ganha!

Anónimo 16.03.2017

Oh ZE', falaste por mim, Nao so' na Holanda , mas tambem em toda a europa norte e centro , a esquerda foi para o caixote do lixo; nem para geringoncas ha lugar!

Anónimo 16.03.2017

Se existe a nivel local proximo das pessoas. Pode vir existir ainda mais a nivel nacional

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub