Economia Hollande equilibra contas com plano de austeridade de esquerda

Hollande equilibra contas com plano de austeridade de esquerda

O presidente francês anunciou um plano de austeridade e reformas económicas com que pretende relançar o país para um novo ciclo de crescimento. Hollande quer poupar 33 mil milhões por ano e pediu aos sindicatos para flexibilizar as leis laborais.
Hugo Paula 10 de setembro de 2012 às 12:11
François Hollande apresentou o plano de austeridade com que prevê reequilibrar as contas, reduzindo o défice em 33 mil milhões de euros para 3% do PIB. O esforço será distribuído pela contenção da despesa e aumento de impostos sobre privados e empresas.

As medidas de austeridade destinam-se a cumprir a redução do défice dos 4,5% previstos para este ano para 3,0%, no próximo, e apesar da revisão em baixa do crescimento antecipado para economia francesa em 2013. A anterior previsão que apontava para um crescimento de 1,2%, no próximo ano, foi revista para 0,8%.

O jornal francês “Le Monde” diz que este é um plano “histórico” de “austeridade de esquerda”. Para reduzir a despesa em 10 mil milhões de euros, o presidente francês ordenou o congelamento dos gastos em todas as áreas do Estado, com excepção para a Educação, a Justiça e a Segurança.

O esforço será repartido entre aumento dos impostos sobre os rendimentos mais elevados, congelamento das despesas públicas em todas as áreas excepto na Educação, Justiça e Segurança e agravamento dos impostos sobre os lucros não reinvestidos pelas empresas.
O presidente francês espera conseguir poupar 10 mil milhões de euros e aumentar a colecta fiscal em 20 mil milhões de euros: 10 mil milhões provenientes das empresas e outros 10, das famílias, segundo os dados citados pela Bloomberg.

Hollande desafia sindicatos

Neste contexto, as alterações ao código laboral revestem-se de maior importância já que esta é uma área em que o Governo francês poderá tomar medidas para promover o crescimento da economia. Hollande comprometeu-se a recuperar o crescimento económico em dois anos e pediu aos sindicatos que participem no esforço, permitindo que as negociações cheguem a bom porto. As medidas que estão em discussão com os sindicatos e patrões tem a finalidade de aumentar a flexibilidade das empresas, fomentando a sua competitividade face ao exterior e potenciando o crescimento, com vista a aumentar o emprego. Mas em contrapartida, no acordo, até poderá haver um reforço da segurança contra o despedimento.

“Se este compromisso histórico for alcançado até ao final do ano, esta reforma receberá força de lei”, disse Hollande na entrevista citada pela Bloomberg. “Mas se os parceiros não concordadem, então lamento, mas o Estado vai assumir as suas responsabilidades”, afirmou.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Eduardo 11.09.2012

Se o Plano de Austeridade é de "Esquerda" então está tudo bem! Os Franceses vão sofrer mas vão gostar de sofrer porque o Plano de Austeridade é de "Esquerda". Se o Plano fosse de "Direita" aí haveria revolta!!!

comentários mais recentes
Eduardo 11.09.2012

Se o Plano de Austeridade é de "Esquerda" então está tudo bem! Os Franceses vão sofrer mas vão gostar de sofrer porque o Plano de Austeridade é de "Esquerda". Se o Plano fosse de "Direita" aí haveria revolta!!!

surpreso 10.09.2012

impostos, para o sistema desperdiçar.O ultimo grande barrete politico, na Europa

00SEVEN 10.09.2012


PARA:
Mistersalsa

Infelizmente há muitos como V.por isso é que os países foram à falência!

O estado social não existe quando não se trabalha e quando o PIB não o pode suportar!

Retenha o que eu digo e fale comigo daqui a um ano!

O socialismo vive da demagogia e enquanto dura o dinheiro dos outros!

Mistersalsa 10.09.2012

Meu caro 00SEVEN,
O Presidente Hollande está a tentar corrigir as bacoradas do Sarcozy com a amiga Mercl... Paguem a crise quem a criou... Ao contrário da mosca morta do nosso primeiro ministro, ele acabou com centenas de fundações cujos gestores recebiam salários chorudos... Ele vai abrir centenas de escolas enquanto que cá se vão fechando...Tem estado a criar emprego enquanto por é o que se vê, centenas de empresas a fechar diariamente...Eu pergunto: Não terão sido estes países da direita que nos têm sugado ao longo destes anos ?

ver mais comentários
pub