Política Hollande não concorre à Presidência em 2017

Hollande não concorre à Presidência em 2017

O actual presidente francês, François Hollande, anunciou esta quinta-feira que não será candidato a uma reeleição, no próximo ano.
Hollande não concorre à Presidência em 2017
Reuters
Carla Pedro 01 de Dezembro de 2016 às 19:26

François Hollande anunciou esta quinta-feira, 1 de Dezembro, que não se recandidatará à presidência nas eleições de 2017. Com este anúncio, abre potencialmente caminho a que o primeiro-ministro, Manuel Valls, concorra em seu lugar, sublinha a Bloomberg News.

Numa comunicação televisiva directamente do Eliseu, Hollande admitiu alguns erros e disse que está a colocar as necessidades do país acima das suas ambições pessoais. E advertiu ainda para as ameaças decorrentes do proteccionismo e para o perigo de a França se virar para dentro de si mesma.

O actual presidente disse que a falta de apoio que tem abriu o país ao risco de movimentos extremistas. "Estou consciente dos riscos de uma candidatura que não acolhe união", afirmou, acrescentando que, por isso, decidiu não ser candidato.



Hollande torna-se assim o primeiro presidente francês, desde o início da Quinta República em 1958, a não se recandidatar.

"Apesar de Hollande não ter dito quem deverá representar o Partido Socialista nas eleições presidenciais do próximo ano, esta decisão abre potencialmente o caminho ao primeiro-ministro Manuel Valls, que já tinha afirmado que se candidataria se o presidente decidisse não o fazer", salienta a Bloomberg.


"Face ao perigo da Extrema Direita e ao risco de ruptura social incarnado por François Fillon [que venceu, no passado domingo, 27 de Novembro, a segunda volta das primárias de centro-direita], o chefe de Estado reivindica uma outra responsabilidade. Não a de se apresentar de novo perante os eleitores, mas a de abrir potencialmente espaço a uma figura que poderá qualificar a Esquerda na segunda volta", refere, por seu lado, o Libération.

Esta decisão, inesperada, "surge numa altura em que a situação económica do país – a começar pela famosa curva do desemprego – já não se revelava um obstáculo a uma recandidatura", destaca ainda aquele jornal francês.

Hollande anunciou a sua decisão após fazer o balanço do seu mandato de cinco anos e disse ser seu desejo de não provocar "a dispersão" da Esquerda. Isto numa altura em que já várias personalidades o tinham exortado a renunciar, desde Arnaud Montebourg [socialista que foi ministro da Renovação Industrial nos governos de Jean-Marc Ayrault e Manuel Valls] até ao seu ex-primeiro-ministro Ayrault, conforme destaca o Le Parisien. 


(notícia actualizada às 20:35)




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

O seu comportamento , apos eleição correu a ajoelhar-se perante Merkel começou mal , foi considerada afronta para os franceses , a continuação da genuflexão, conspiraçao contra DESK , único q na esquerda ganharia eleições anteriores e próximas contribuíram fatalmente pra orfandade da esquerda.

Dono dos Burros Há 4 dias

Como macho desejo uma fêmea a mandar. Vamos nessa Marine Le Pen.

pertinaz Há 4 dias

VADE RETRO BELZEBU

Anónimo Há 4 dias

Nao devo comenta-lo porque nao sou frances,no entanto estou a ver aqui um burroterres,recuemos ao tempo dele,mais nao digo.

pub