Banca & Finanças Hugo Soares: situação da Caixa "não é muito diferente do que aconteceu no BES"

Hugo Soares: situação da Caixa "não é muito diferente do que aconteceu no BES"

Em entrevista ao Público e à Renascença, o novo líder da bancada parlamentar do PSD compara as decisões tomadas pelas administrações da Caixa com aquilo que aconteceu no BES e lembra que há quatro anos o partido também perdeu as eleições e "Passos Coelho continuou como presidente do partido".
Hugo Soares: situação da Caixa "não é muito diferente do que aconteceu no BES"
Pedro Catarino (CM)
Negócios 20 de julho de 2017 às 09:26

Hugo Soares vê paralelos entre a Caixa e o BES, na forma como as contas foram "maquilhadas" ao longo dos últimos anos. "Nós hoje sabemos que o Ministério Público tem fundadas suspeitas sobre a prática de gestão danosa na CGD, seja na concessão de crédito, seja até naquilo que se chama maquilhagem das contas, no facto de terem escondido as imparidades nas contas da CGD, um fenómeno que não é muito diferente do que aconteceu no BES", afirmou ao jornal e à rádio. "Ou seja, o Ministério Público tem dúvidas sobre o que aconteceu a partir de 2007 de concessão de crédito de favor na CGD, que é algo que, além de um crime, desvirtua as regras de mercado e concorrência..."

 

Questionado sobre essa comparação, o deputado do PSD reiterou a acusação: "Sim, esconder as contas, maquilhar as contas, não é diferente do que aconteceu no BES." Durante a entrevista, não afastou também a possibilidade de avançar com uma terceira comissão de inquérito à Caixa, a terceira nesta legislatura.

 

Ainda sobre este tema, Hugo Soares acusa Eduardo Ferro Rodrigues de desrespeitar a Assembleia da República. "Ferro Rodrigues não pode ter opiniões pessoais que coloquem em causa a separação de poderes […] Ou não pode desdenhar de forma absolutamente inacreditável de uma deliberação da AR que visa constituir uma comissão técnica independente para apurar a verdade dos factos do que falhou - e continua a falhar - no combate aos incêndios […] desdenha em causa própria desrespeita o órgão a quem preside. E isso não é um comportamento à altura do segundo representante da nação."

 

"Em 2013 fomos copiosamente derrotados. E Passos continuou"

 

Na mesma entrevista, o recém-eleito líder parlamentar dos sociais-democratas desvalorizou a possibilidade de o resultado nas autárquicas levar ao afastamento de Pedro Passos Coelho da liderança do PSD. "Nós em 2013 fomos copiosamente derrotados nas autárquicas. E Passos Coelho continuou como presidente do partido e como primeiro-ministro", recorda.

 

Aproveitou também para baixar a fasquia sobre os possíveis resultados eleitorais. Depois de Passos Coelho ter dito que o objectivo do PSD é ter a maioria das câmaras, Hugo Soares diz que esse deve ser sempre o objectivo do PSD, mas avança com outra meta: ganhar mais câmaras do que nas últimas eleições.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 20.07.2017

Sou obrigado a pagar através de comissões, contribuições e impostos o nível de vida passado, actual e futuro de 2200 assalariados da CGD que não são lá precisos para nada. O sindicato deles, o Sindicato Bancário do Sul e Ilhas (SBSI), já analisou os termos oferecidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) no programa de “Revogações por Mútuo Acordo”, divulgado na última semana de Junho aos trabalhadores do grupo público. E a sentença é negativa: “As condições propostas aos trabalhadores ficam aquém das expectativas.” E agora pergunto eu, quem regula e supervisiona estas criaturas? As do escândalo CGD e de outros escândalos semelhantes. Há muitos casos destes nas organizações portuguesas.

comentários mais recentes
Anónimo 20.07.2017

Ora aqui está um bom princípio!... como não conseguiram entregar a CGD aos amigos vêm agora com esta conversa para meter medo aos mais distraídos e fazer com eles comecem a levantar o seu dinheiro de lá, e, assim, provocar uma crise de consequências imprevisíveis a um banco que tem os seus problemas resolvidos. Isto sim! é patriotismo daquele de trazer a bandeira nacional na lapela... O que me ocorre dizer é: vão à merd@...

Bela 20.07.2017

Agora temos este a mostrar servico

Anónimo 20.07.2017

Lembrar que em 2013 continuou como primeiro ministro por obra e graça de Espírito Santo. Foi graças ao dito por não dito de Paulo Portas que o governo se aguentou...

Anónimo 20.07.2017

O PSD perdeu completamente a cabeça... é um partido da política de terra queimada...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub