Segurança Social Idade da reforma chega aos 67 anos em 2024

Idade da reforma chega aos 67 anos em 2024

A idade normal da reforma será de 66 anos e quatro meses em 2018. Se as regras não foram alteradas deverá chegar aos 67 anos em 2024.
Idade da reforma chega aos 67 anos em 2024
Bloomberg
Catarina Almeida Pereira 28 de Novembro de 2016 às 22:00

A idade da reforma vai passar no próximo ano para os 66 anos e três meses e no ano seguinte volta a esticar um mês. Se a esperança média de vida continuar a avançar ao ritmo que tem sido registado, e se o Governo não alterar esta regra, chegará aos 67 anos em 2024.

Os cálculos da FSO Consultores, feitos a pedido do Negócios, têm em conta a evolução registada na esperança média de vida nos últimos anos. "Considerando que a evolução estimada da esperança média de vida aos 65 anos mantém a tendência verificada desde 2000, a idade normal de reforma atingirá os  67 anos em 2024", responde Filomena Oliveira.

Subjacente a estas projecções está a legislação em vigor, que também faz depender a própria idade da reforma da evolução da esperança média de vida, o que se traduz num agravamento de ano para ano.

Esperança de vida: há dez anos a ditar cortes

Uma excelente notícia com um lado menos positivo. É mais ou menos desta forma que os ganhos a nível do número de anos que os portugueses podem esperar viver têm sido apresentados nas últimas legislaturas.

A relação entre a esperança média de vida e o cálculo do valor da pensão foi introduzida por Vieira da Silva há cerca de uma década. A idade da reforma era na altura de 65 anos e o factor de sustentabilidade também se aplicava a quem se reformava na idade normal de reforma. A percentagem de corte, calculada em relação ao ano de 2006, era relativamente baixa (até cerca de 3,14%) e podia ser anulada com alguns meses de trabalho extra.

Quando aumentou a idade da reforma para os 66 anos, em 2013, a equipa de Pedro Mota Soares reformulou a regra e a lógica: além de passar a determinar sucessivos aumentos da idade da reforma, a esperança média de vida justificaria cortes mais acentuados para quem se aposenta antes da regra legal, numa alteração aprovada durante o programa de ajustamento. Em vez de se considerar a evolução desde 2006 passaram a considerar-se os ganhos desde 2000, o que fez disparar a taxa de corte: o factor de sustentabilidade, que era de menos de 5%, subiu para mais de 12% a partir de 2014.

O lado "excelente" da notícia divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira revela que aos 65 anos os portugueses ainda podem esperar viver mais 19,31 anos. Em 1982, a expectativa nessa altura da vida era de menos de quinze anos.




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias


AS PENSÕES DOURADAS DA CGA

As reformas mais antigas são as mais elevadas porque tiveram fórmulas mais favoráveis.

São também aquelas em que as pessoas se reformaram/aposentaram com menos idade.

Por isso devem ter os maiores cortes.

comentários mais recentes
AlexandreDuarte Duarte Há 4 dias

Tipo lool ... nem me imagino a trabalhar com 67 , com essa idade a minha motivação será zero, a minha iniciativa zero , a minha vontade de trabalhar zero. Isto é surreal os velhos a trabalhar até cair de podre e os jovens saídos da faculdade que querem efetivamente trabalhar na praia pois não arranjam emprego!

JCG Há 4 dias

Acabem com este CIRCO de uma vez por todas, passando a calcular (e a pagar) as pensões de reforma dos regimes contributivos pelo método actuarial.
O que é que isso significa? É simples: apurado um capital acumulado à data da passagem à reforma (a parte da TSU - de 34,75% - destinada a financiar a pensão de reforma, corrigida por um factor ou taxa de capitalização), que deve ser livre, distribui-se esse capital pelos anos/ meses residuais (ou expectáveis) de vida médios.

Ou seja, se a esperança de vida média é de 80 anos, para uma pessoa com 65 anos a esperança de vida é de 180 meses e se tiver 60 anos, a esperança de vida é de 240 meses.

Se essas pessoas tiverem acumulado cada uma um capital, por exemplo de 100 mil euros, e passarem à reforma, a reforma inicial mensal da ´mais velha será de 555,6 euros e a da mais nova será de 416,7 euros.

E, assim, cada qual receberá de volta o que entregou ao sistema, não ficando a recalcitrar que andou a descontar para as pensões dos outros.

Anónimo Há 4 dias


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

Anónimo Há 4 dias


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

ver mais comentários
pub