Conjuntura Imóveis comerciais não acompanham forte subida dos preços das casas

Imóveis comerciais não acompanham forte subida dos preços das casas

O INE lançou um novo indicador, para medir a evolução dos preços das propriedades comerciais. O primeiro relatório mostra que as subidas dos preços foram, no ano passado, bem inferiores aos registados nas habitações.
Imóveis comerciais não acompanham forte subida dos preços das casas
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Carregueiro 28 de junho de 2017 às 11:34

O preço dos imóveis comerciais aumentou 2% em média, no ano passado, uma progressão bem inferior à registada nos preços das habitações, que cresceram mais de 7% em 2016.

 

Os dados constam de um novo indicador calculado pelo Instituto Nacional de Estatística, que publicou pela primeira vez o Índice de Preços das Propriedades Comerciais (IPPCom).

 

De acordo com o instituto, o IPPCom será divulgado anualmente e insere-se no "quadro conceptual e metodológico já utilizado para a produção do Índice de Preços da Habitação (IPHab)".

 

Em 2016 este índice registou o terceiro ano consecutivo de aumentos, embora o crescimento tenha abrandado (+3,5% em 2015) e, ao contrário do habitual, registado uma evolução bem diferente do verificado nas habitações.

 

"Comparativamente com a evolução dos preços das habitações dada pelo IPHab, o aumento dos preços de transacções de propriedades comerciais em 2016 foi inferior em 5,1 pontos percentuais, tendo sido o ano da série disponível em que a diferença entre as taxas de variação dos preços dos dois tipos de imóveis foi maior", refere o INE.

 

O INE apresenta a evolução deste indicador desde 2010, destacando que, desde então, apresenta duas fases distintas. "A primeira, compreendida entre 2010 e 2012, caracterizou-se pela descida continuada dos preços das propriedades comerciais e residenciais. A segunda fase, que se iniciou em 2013, caracterizou-se por uma nítida recuperação dos preços que, tal como pode ser observado no gráfico (ver em baixo), foi mais acentuada para o mercado residencial do que para os imóveis comerciais", explica o instituto.

 

As propriedades comerciais atingiram a maior descida de preços em 2012. No entanto, o preço das propriedades comerciais desceu mais neste ano do que nos imóveis residenciais (-8,6% e -7,1%, respectivamente).




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 28.06.2017

Isto vai ser mais ou menos assim.Quando eu era rapazote juntava-me com uns colegas a noite sobretudo nos fins de semana para fazermos umas tainas,Acontece porei q quando iamos comprar frangos e eram postos na mesa,pareciamos 100caes a um osso.Quando ja nao havia mais carne,depois iamos rapar os osso

pub