Política Imposto sobre património vai financiar pensões futuras

Imposto sobre património vai financiar pensões futuras

António Costa, primeiro-ministro, anunciou no debate quinzenal que o novo imposto sobre património vai ser consignado ao Fundo de Estabilização da Segurança Social.
Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar / Negócios Miguel Baltazar / Negócios Miguel Baltazar / Negócios Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios
Alexandra Machado 14 de outubro de 2016 às 11:21
No Parlamento, no debate quinzenal, o primeiro-ministro António Costa anunciou que o novo imposto sobre o património vai ficar consignado à sustentabilidade da segurança social. A receita arrecadada com esse imposto será consignada ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social.

"Não vai ser um imposto para pagar despesa de 2017 ou a realizar hoje. O imposto sobre o património será usado para sustentar de forma segura e reforçar a segurança que temos de ter na segurança social".

Por isso, garantiu que a receita "financiará a despesa futura com gerações de contribuintes que têm de ter garantia que nenhum governo volta a tirar a pensão". O que significa que o imposto sobre o património "vai servir para garantir um sistema de segurança social mais sólido".

O imposto sobre o património incidirá a quem tenha imóveis avaliados em mais de 600 mil euros para contribuintes particulares.

Esta é das poucas novidades, até ao momento, sobre o Orçamento do Estado para 2017 apresentada no debate quinzenal. António Costa ainda referiu pretender estender os manuais escolares gratuitos a todo o primeiro ciclo, mas não concretizou se o fará já em 2017. O Observador avançou que estará na proposta preliminar do Orçamento, que hoje será entregue no Parlamento, a gratuitidade dos manuais escolares a todos o primeiro ciclo já em 2017. Este ano os manuais foram gratuitos no primeiro ano do primeiro ciclo. 




A sua opinião38
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado portuense Há 1 semana

É preciso não ter vergonha na cara e ter muiiita lata! Só os anjinhos é que acreditam nisto!

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


PS . BE . PCP - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

anonimo Há 1 semana

Todos os anos vão criar um novo imposto para financiar a segurança social, ela está a arrebentar.

Anónimo Há 1 semana


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

O peso da CGA

Enquanto o peso da despesa com pensões da CGA representa quase 40% do total de pensões pagas em Portugal, o número de pensionistas da CGA não chega a 17% do total de beneficiários.

Entre 2000 e 2013, a despesa com pensões da CGA aumentou mais de 150%.

E considerando apenas a evolução após 2010, os encargos com pensões da CGA subiram 25%, contra 9% da Segurança Social.

João Simas Há 1 semana

Até ao final do dia teremos mais.... tudo que anda ou mexe será taxado....esquerda com sempre destrói o sector privado.... PREC 2017 à vista...

ver mais comentários
pub