Impostos Impostos em Portugal estão acima da média da OCDE

Impostos em Portugal estão acima da média da OCDE

Um estudo da OCDE indica que a receita de impostos voltou a subir no ano passado em Portugal. É o terceiro ano seguido em que isso acontece, conclui a instituição. Portugal ficou até acima do nível médio de impostos cobrados nos países da OCDE.
Impostos em Portugal estão acima da média da OCDE
Bruno Simão/Negócios
Bruno Simões 01 de Dezembro de 2016 às 16:49

Os efeitos do "enorme aumento de impostos" operado pelo Governo em 2013 ainda se fazem sentir. De acordo com a edição de 2016 das Estatísticas de Receitas Públicas da OCDE, divulgada esta quarta-feira, o nível de impostos cobrados em Portugal voltou a subir no ano passado. Se em 2014 se situava em 34,2% do Produto Interno Bruto, no ano passado subiu um pouco mais para os 34,5% do PIB.

 

O nível de impostos dos 35 países da OCDE também subiu no ano passado, passando de 34,2% para 34,3% do PIB. O que significa que, proporcionalmente, Portugal está a cobrar mais impostos que os restantes 34 parceiros da organização. É apenas a segunda vez em que isso acontece.

 

A receita obtida através de impostos subiu de forma muitíssimo expressiva em 2013 – passou de 31,8% em 2012 para 34,1% do PIB. Esse foi o primeiro ano em que Portugal arrecadou mais impostos do que a média da OCDE, que nesse ano foi de 33,8% do PIB. Em 2014, a colecta de impostos ainda subiu de forma ligeira para 34,2% (passando a igualar a média da OCDE) e no ano passado situou-se nos 34,5% do PIB, altura em que voltou a ultrapassar a média.

 

A OCDE inclui no conceito de carga fiscal os impostos sobre o trabalho e os lucros, as contribuições obrigatórias para a Segurança Social, sobre o trabalho, sobre os bens e serviços e sobre a propriedade. Excluindo as contribuições para a Segurança Social, o nível de impostos em Portugal situa-se nos 25,2% do PIB, valor que permanece inalterado face a 2014, mas que em ambos os casos supera a média da OCDE.

 

De acordo com a OCDE, os impostos sobre o trabalho têm estado a subir desde 2010, no conjunto dos seus 35 membros: no ano passado, a média situou-se nos 11,6% do PIB. Mas ainda não atingiram o máximo registado em 2007, de 12,2% do PIB. Em Portugal, no ano passado, a tributação sobre os rendimentos baixou, passando de 11% para 10,5% do PIB.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 dias


PS - e seus apoiantes - ROUBAM A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e CGA.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

Anónimo Há 3 dias


PS - e seus apoiantes - ROUBAM A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e CGA.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)

Anónimo Há 4 dias

E a tendência é para aumentar ainda mais, devido às políticas de aumento da Despesa Pública dos geringonços.

Anónimo Há 4 dias

Sr. Bruno Simões, convinha talvez era colocar na notícia que ela se refere a dados de 2015 ....!!!! Como não pode ser descuido, porque seria uma falha profissional grave, só pode ser intencional. Talvez dar uma olhadela no título da mesma notícia no Diário de Notícias ...

ver mais comentários
pub