Autarquias "Inaceitável, unilateral, ineficaz": turismo contra proibição de autocarros em Lisboa

"Inaceitável, unilateral, ineficaz": turismo contra proibição de autocarros em Lisboa

Há uma semana, a Câmara Municipal de Lisboa anunciava a proibição de circulação de autocarros no centro da cidade. Uma semana depois, a medida começa a entrar em vigor, com transportadores, agências de viagem e guias-intérpretes indignados pela forma como o processo foi conduzido, escreve o Público.
"Inaceitável, unilateral, ineficaz": turismo contra proibição de autocarros em Lisboa
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 01 de agosto de 2017 às 09:21

É já esta terça-feira, 1 de Agosto, que os autocarros turísticos ocasionais passam a estar proibidos de circular nas zonas centrais de Lisboa, mas os operadores não se conformam. Dos transportadores às agências de viagem, passando pelos guias intérpretes, acusa-se a autarquia de ter tomado uma decisão em cima do joelho, sem ter ouvido ninguém e sem dar oportunidade de adaptação a quem trabalha.

Para a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros (ANTROP), citada pelo jornal Público, é "inaceitável" que o presidente, Fernando Medina, não os tenha ouvido sobre a implementação uma medida que praticamente não dá tempo de adaptação às empresas. "Os serviços para os meses de maior procura já foram contratados há meses e não vão ser alterados em cima da hora", referiu a associação em comunicado.

Posição idêntica têm os agentes de viagem, que já têm contratos assinados até ao final do ano que prevêem que os turistas fiquem alojados na zona da baixa. Ao Público, uma agente de viagens acusa a autarquia de ter tomado uma decisão "unilateral" e "irreal", dada a dificuldade que é transportar turistas que viajam em grupo para congressos ou eventos em carrinhas de nove lugares.

Igualmente crítica é a Associação Portuguesa de Guias Interpretes e Correios de Turismo (AGIC), que ao Público alerta para o facto de muitos turistas que visitam o eixo Castelo/Sé terem mobilidade reduzida.

No centro da polémica está a decisão da Câmara de Lisboa de limitar a circulação e autocarros de serviço ocasional num conjunto de zonas da cidade. Em Agosto entra em vigor a proibição de circulação na zona do Castelo e Sé; em Setembro a proibição alarga-se para o eixo Cais do Sodré/Rato; e, a médio prazo, poderá estender-se a um perímetro que vai da Infante Santo/Estrela/Rato/Rua Alexandre Herculano, Praça o Chile/Santa Apolónia.

A intenção de Fernando Medina foi anunciada na semana passada tendo apanhado os operadores desprevenidos.




pub