Economia Incêndio em Gondomar e Valongo obriga a combate por meios aéreos

Incêndio em Gondomar e Valongo obriga a combate por meios aéreos

O incêndio que lavra desde as 11 horas deste sábado nos concelhos de Gondomar e Valongo e está a colocar em perigo habitações e armazéns fabris vai ser combatido com meios aéreos, indicaram à Lusa fontes da Protecção Civil e das autarquias.
Incêndio em Gondomar e Valongo obriga a combate por meios aéreos
O incêndio que lavra nos concelhos de Gondomar e Valongo desde as 11 horas deste sábado está a colocar em perigo habitações e armazéns fabris.
Reuters
Lusa 07 de outubro de 2017 às 18:26

Meios aéreos vão juntar-se aos homens e veículos das corporações de bombeiros que combatem o incêndio que lavra desde as 11 horas deste sábado nos concelhos de Gondomar e Valongo.

Em causa um incêndio que deflagrou na Serra de Santa Justa, no concelho de Valongo, e que alastrou ao concelho vizinho de Gondomar, onde, mais exactamente em São Pedro da Cova, está a pôr em perigo algumas habitações e a zona industrial Mimosas.

 

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Gondomar, Marco Martins, confirmou a vinda de um helicóptero para o local e avançou que "eventuais planos de evacuação estão preparados".

 

"Esperemos que seja a ultima hipótese, mas, a ser necessário retirar pessoas de casa e acomodá-las, a câmara tem um plano preparado e assegurará o que for necessário", disse o autarca de Gondomar.

 

Também o presidente da Câmara de Valongo, José Manuel Ribeiro, descreveu "um dia de combate às chamas muito duro" e fez um apelo público com vista ao auxílio.

 

"São necessários meios aéreos no terreno. Há aqui zonas complicadas", referiu o presidente da Câmara de Valongo.

 

Já de acordo com o comandante dos Bombeiros Voluntários de São Pedro da Cova, Romero Gandra, estão duas frentes activas que lavram "com grande intensidade", disse o responsável, acrescentando que dois bombeiros ficaram feridos sem gravidade.

 

"É um incêndio que evolui rapidamente influenciado pelo vento e com dificuldades de acesso nas zonas de florestação", referiu o comandante.

 

No terreno estão 173 homens e 51 veículos de várias corporações de bombeiros.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp 08.10.2017

Sabemos que o "EROTISMO"e como o pao nos restaurantes,tem de estar sempre presente,mas nao deste.

pub