Economia Incêndios: António Costa quer envolvimento de todos na limpeza de terrenos

Incêndios: António Costa quer envolvimento de todos na limpeza de terrenos

O primeiro-ministro, António Costa, alertou hoje que, se não houver um envolvimento de toda a sociedade na limpeza dos terrenos, "vai ser impossível" fazer o trabalho necessário para evitar os incêndios florestais no próximo verão.
Incêndios: António Costa quer envolvimento de todos na limpeza de terrenos
Lusa
Lusa 08 de fevereiro de 2018 às 18:37

"O trabalho que temos é enorme pelo país todo", afirmou António Costa, durante a apresentação da empreitada de reconstrução de cerca de uma centena de habitações afectadas pelo incêndio de Outubro no concelho de Tondela, distrito de Viseu.

 

O primeiro-ministro lembrou que o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas já identificou as 19 áreas de maior risco de incêndio no próximo verão, que abrangem "mais de 180 concelhos em todo o país, mais de mil freguesias e milhares de aldeias".

 

"Ou este é um esforço que envolve toda a sociedade, cada um dos proprietários, ou então é um esforço que não pode ser assegurado só pelos presidentes de junta de freguesia, pelos presidentes de câmara, pelos ministros ou pelo primeiro-ministro. Tem de ser um esforço do conjunto da sociedade", frisou.

 

António Costa disse que "os incêndios do verão apagam-se no inverno" e, por isso, "é essencial que todos tenham consciência de que há um trabalho fundamental a fazer de limpeza dos matos e das árvores em redor das casas e de cada povoação, de forma a aumentar a resistência e diminuir o risco de incêndio".

 

"A lei impõe, há mais de dez anos, obrigações muito claras a todos. Nos 50 metros em redor de cada casa e nos 100 metros em redor de cada povoamento não pode haver mato, nem árvores", explicou, acrescentando que o mesmo deve acontecer nas margens das vias de comunicação e por baixo das linhas de comunicação.

 

O primeiro-ministro lembrou que, até 15 de Março, "é dever de todos os proprietários procederem a essa limpeza" e que o objectivo "não é que as autoridades andem a autuar ou a cobrar multas", mas que todos se empenhem em aumentar a segurança.

 

"A partir de 15 de Março os municípios têm todo o poder para entrar nas propriedades privadas e fazerem o que os proprietários não fizeram", frisou.

 

Na sequência dos incêndios de Outubro, no concelho de Tondela serão reconstruídas 94 habitações (20 parcialmente e 74 totalmente) e 28 anexos, num valor total de 9,6 milhões de euros.

 

A presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Centro, Ana Abrunhosa, disse que o objectivo é que estas obras estejam todas concluídas em Dezembro deste ano.

 

António Costa considerou que se trata de uma situação diferente da dos incêndios de Junho: "em Pedrógão trabalhámos sobretudo com empreitadas individuais, casa a casa, e aqui temos que trabalhar com grandes empreitadas que façam uma intervenção sobre um conjunto habitacional".

 

O presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, referiu que "a tragédia ocorrida em Outubro do ano passado ainda marca, de forma muito impressiva, a memória de todos".

 

"Os momentos trágicos, aflitivos, vividos, alimentaram uma sensação de incapacidade face à dimensão e amplitude de tal circunstância", lamentou, lembrando as três pessoas que morreram no concelho.

 

Entre outros danos, o incêndio destruiu quatro centenas de habitações (que se destinavam a primeira habitação, própria e permanente, segunda habitação e edificações devolutas).

 

Por isso, o autarca considerou que hoje é "um dia marcante para se fortalecer a esperança" daqueles que acreditam na capacidade de regeneração do território.

 

"Fomos o primeiro município a estabelecer o protocolo com a CCDR, a 18 de Dezembro, para implementação desta estratégia e, um mês e meio depois, concluímos a instrução/avaliação de quase 250 processos, de onde resultaram 174 pedidos de apoio concretizados para primeiras habitações", afirmou.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
pertinaz 09.02.2018

BEM PODE REALIZAR CONSELHOS DE MINISTROS TEMÁTICOS...

CADA MINISTRO LEVA UM ANCINHO E UMA VASSOURA...

Anónimo 09.02.2018

A solucao esta` nas maos do governo!! prender e queimar os incendiarios, a` medida que os apanham n ato! o resto depois e` facilimo!!! < nisso nem pensar porque eles sao os principais apoiantes da geringonca.>

Anónimo 09.02.2018

Vejam bem a hipocrisia deste artista que na prática alimenta a indústria do fogo e na política vem defender o empenho de todos no combate ao fogo. Só se for de caçadeira na mão e com autorização para matar. Há 60 anos não se podiam armar ratoeiras para apanhar pássaros nem meter a minhoca na água da ribeira para apanhar um peixe que não aparecesse logo a venatória ou o guarda-rios. Vão mas é dar banho ao cão e morram assados!

Neves 08.02.2018

Acho que a prevenção tem que ser total mas quando em pleno terror os aviões da força aérea sobrevoaram a zona e viram gente a fazer queimadas (supostamente controladas) fico preocupado.Tem que haver penas duras, automáticas e identificar os grupos que ganham dinheiro com fogos. Até lá é só conversa

ver mais comentários
pub