Economia Incêndios: CDS propõe dedução de despesas de reconstrução de bens no IRS de 2017

Incêndios: CDS propõe dedução de despesas de reconstrução de bens no IRS de 2017

Assunção Cristas enviou esta manhã uma carta ao chefe do Governo com um conjunto de 43 propostas onde se mostra disponível para construir um consenso na resposta imediata e estrutural aos incêndios.
Incêndios: CDS propõe dedução de despesas de reconstrução de bens no IRS de 2017
Bruno Simão/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 26 de outubro de 2017 às 12:00

Assunção Cristas enviou esta manhã a António Costa uma carta onde se disponibiliza para um consenso que evite novas tragédias, como as de Junho e Outubro provocadas pelos incêndios, e onde deixa ao chefe do Governo 43 medidas que o CDS defende. Entre as propostas está a criação, na declaração de IRS relativa ao ano de 2017, da possibilidade de "deduzir todas as despesas com o combate ao fogo e a reconstrução de todos os bens destruídos nos incêndios que deflagraram no ano de 2017".

Na carta, a líder centrista explica que se trata de propostas de resposta imediata mas também de médio prazo. "São propostas construtivas para responder com justiça e rapidez às vítimas dos incêndios e garantir uma reconstrução rápida do tecido produtivo, bem como medidas para reformas estruturais no ordenamento e na protecção do território", lê-se na carta a que o Negócios teve acesso.

Assunção Cristas justifica que as medidas agora sugeridas resultam de um debate interno que beneficiam de um contacto no terreno. "Contribuem para a reforma que todos temos de empreender, recolhidas de relatórios e estudos, da análise dos erros e da leitura das recomendações, com o propósito de agir com determinação. São ainda fruto do trabalho no terreno, junto das populações, trabalho que continua e do qual poderão decorrer mais propostas, como as que nos continuam a fazer chegar. Também no quadro do Orçamento do Estado o CDS apresentará as suas propostas, em linha com as questões aqui sinalizadas."

A líder do CDS entende que "é a clareza nos diferentes pontos de vista que nos permite caminhar para consensos". Costa tem pedido consenso nesta matéria.  

As medidas estão divididas em três áreas: reconstrução, território e protecção. 




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Convém não esquecer que o resgate externo ao excedentarismo e sobrepagamento na banca e no sector público (contribuinte)-dependente em sentido estrito, foi facultado sob condição de se fazerem urgentes e necessárias reformas em termos de mercado de bens e serviços e de factores, incluindo o de capital e o laboral, de modo a que uma correcta e adequada política de gestão de recursos humanos nas organizações portuguesas passasse a ser a norma e não a excepção. Mas para que tal aconteça, toda a corrupção e tráfico de influências que sustentam e alimentam o status quo íniquo e insustentável terão de ser combatidas eficazmente.

comentários mais recentes
Ventura Santos Há 3 semanas

Uma canção em louvor duma defensora dos agricultores: Oh rata ! Oh que linda rata ! Oh rata, lá das azeitoneiras ! A tua é a mais bonita, lá no meio das algibeiras !

Anónimo Há 3 semanas

Incêndios: CDS propõe dedução de despesas de reconstrução de bens no IRS de 2017
EU SOU MUITO BURRO E NÃO ENTENDO ESTA SENHORA.
ENTÃO SE AS DESPESAS DE RECONSTRUÇÃO VAO SER SUBSIDIADAS COMO É QUE PODE HAVER DEDUÇÃO NO IrS?

carlos Há 3 semanas

ZERO de IRS para as empresas destruidas e queimadas durante 3 ou mais anos e assim contribuir para que as populaçoes permanecem no interior de Portugal . Também incentivos para que novas empresas venham a fixar-se no interior , isto sim é governar meus senhores da geringonça!

Que Galinha Há 3 semanas

A rã (2,4%) quer ser boi....

ver mais comentários
pub