Economia Incêndios: Mais de 418 mil hectares de floresta queimada este ano

Incêndios: Mais de 418 mil hectares de floresta queimada este ano

O relatório provisório do ICNF adianta que, entre 01 de Janeiro e 16 de Outubro, registou-se um total de 16.613 ocorrências de fogo, que resultaram em 418.087 hectares de área ardida.
Incêndios: Mais de 418 mil hectares de floresta queimada este ano
Ricardo Almeida
Lusa 30 de outubro de 2017 às 13:07

Os incêndios florestais consumiram, este ano, mais de 418 mil hectares, sendo o segundo pior ano de sempre depois de 2003, segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

 

Cerca de metade da área ardeu na primeira quinzena de Outubro.

 

O relatório provisório do ICNF adianta que, entre 01 de Janeiro e 16 de Outubro, registou-se um total de 16.613 ocorrências de fogo, que resultaram em 418.087 hectares de área ardida em espaços florestais, entre povoamentos (248.515 hectares) e matos (169.572 hectares).

 

O valor total ardido equivale a 4,5% da área de Portugal.

 

"Comparando os valores do ano de 2017 com o histórico dos 10 anos anteriores, assinala-se que se registaram menos 1% de ocorrências e mais 407% de área ardida relativamente à média anual do período. O ano de 2017 apresenta, até ao dia 16 de Outubro, o sexto valor mais elevado em número de ocorrências e o valor mais elevado de área ardida, desde 2007", refere o documento publicado na página da internet do ICNF.

 

Segundo os dados, o pior ano de sempre em área ardida registou-se em 2003 (425.839 hectares), seguido de 2017 (418.087 ha) e de 2005 (339.089 ha).

 

A 18 de Outubro, o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS), que apresenta as áreas ardidas cartografadas em imagens de satélite, indicava que os fogos tinham consumido este ano 519.748 hectares de florestas, 240.767 hectares dos quais na primeira quinzena de agosto.

 

Os dados do sistema português, validados no terreno, destacam que a maior área ardida ocorreu entre 01 e 16 de Outubro, com um total de 200.890 hectares, o que corresponde a 48% do total da área queimada do ano, seguido dos meses de agosto (73.502 hectares) e de Julho (65.007).

 

Em relação ao número de ocorrências de fogo, o mês de agosto é o que apresenta maior número, com um total de 3.736 ocorrências (22% do total), e em segundo lugar aparece a primeira quinzena de Outubro, com 2.549 fogos. 

 

O ICNF sublinha que, "face às condições meteorológicas adversas, favoráveis à propagação de incêndios florestais, a Autoridade Nacional de Protecção Civil decretou, até à data, 108 dias de alerta especial de nível amarelo ou superior do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF), onde se destaca o período continuado de 1 a 16 de Outubro".

 

Da análise do índice de severidade diário (que determina a duração e severidade das épocas de incêndios), 2017 é o segundo ano mais severo dos últimos 15, ultrapassado apenas por 2005.

 

O maior número de ocorrências de fogo ocorreu nos distritos de Porto (4.244), Braga (1.716) e Viseu (1.644), enquanto o distrito mais afectado, no que toca à área ardida, é Coimbra com 104.744 hectares, cerca de 25% da área total, seguido de Castelo Branco com 52.718 hectares (13% do total) e de Viseu com 51.929 hectares (12% do total).

 

Segundo aquele organismo, até 16 de Outubro há registo de 1.245 reacendimentos, menos 18% do que a média anual do período 2007-2016.

 

O relatório do ICNF dá ainda conta que se registaram este ano 188 "grandes incêndios florestais", que queimaram 389.780 hectares de espaços florestais, cerca de 93% da área ardida.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

No 6ª às 9 , a jornalista estava contra a contratação de meios aéreos que estavam no chão.Senhora FF e compª, os portugueses ficam todos contentes se forem contratados aviões e estes estejam parados.É um bom sinal.Tenham vergonha.Não pensaram um pouco porque razão não eram necessários?Dá que pensar.

pub