Economia Incêndios: Oliveira do Hospital apela ao fim de doação de alimentação e roupa

Incêndios: Oliveira do Hospital apela ao fim de doação de alimentação e roupa

A Câmara de Oliveira do Hospital apelou hoje à suspensão de doações de alimentação, roupas e outros artigos têxtil para o lar. Mas admitiu necessidades, ainda, de materiais de construção, móveis, electrodomésticos e rações para animais.
Incêndios: Oliveira do Hospital apela ao fim de doação de alimentação e roupa
Ricardo Almeida
Lusa 29 de outubro de 2017 às 15:33
A Câmara de Oliveira do Hospital apelou hoje à suspensão de doações de alimentação, roupas e outros artigos têxtil para o lar, pois a solidariedade após os incêndios de dia 15 já ter sido suficiente para suprir essas necessidades.

Esta autarquia do distrito de Coimbra, contudo, admitiu que a população do município ainda precisa de materiais de construção, móveis, electrodomésticos e rações para animais.

"Tem havido muita solidariedade e, por isso tudo isso, agradecemos muito. Contudo, precisamos de apelar para que roupas e outros artigos têxteis, assim como alimentação, sejam direccionadas para outras comunidades também afectadas, já que aqui temos as necessidades satisfeitas", disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino.

Mais de uma centena de pessoas ficaram desalojadas neste concelho. Dos 45 mortos registados nos incêndios de dia 15, 12 são de Oliveira do Hospital.

Os prejuízos dos incêndios nas empresas de Oliveira do Hospital rondam os 100 milhões de euros e os apoios anunciados pelo Governo para a sua recuperação "são insuficientes", afirmou na sexta-feira o presidente da Câmara.

"Temos um caderno reivindicativo de que não abdicaremos e estamos em constante negociação para corrigir o que deve ser corrigido", disse José Carlos Alexandrino, na cerimónia em que tomaram posse os novos titulares da Câmara e da Assembleia Municipal deste concelho do distrito de Coimbra.

Oitenta e cinco empresas foram destruídas e 450 trabalhadores foram afectados, neste município, pelos incêndios.

As centenas de incêndios que deflagraram no dia 15, o pior dia de fogos do ano, segundo as autoridades, provocaram 45 mortos e cerca de 70 feridos, perto de uma dezena dos quais graves.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, em Junho deste ano, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 vítimas mortais e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JCG Há 3 semanas

Acho que as Câmaras Municipais/ Vereações devem assumir a direção dos trabalhos de apoio às populações e reconstrução do que houver para reconstruir. Mas é de esperar que as Câmaras não tenham pessoal suficiente para responder a catástrofes como as vertentes. Por outro lado, é claro e está à vista que há muitos portugueses que gostariam de ajudar até em trabalho de campo. Bom as Câmaras devem organizar equipas com elementos da Câmara mas com abertura a voluntários, informando e hoje o que não falta são meios que tipo de competências ou de ajuda em trabalho precisam. De contrário haverá bagunça ou alguns potenciais voluntários não avançam porque não sabem como se integrar.