Política Incêndios: PSD quer isenções fiscais para famílias e empresas para responder ao "choque" do país

Incêndios: PSD quer isenções fiscais para famílias e empresas para responder ao "choque" do país

O PSD anunciou hoje que irá apresentar um conjunto de diplomas, incluindo isenções fiscais para famílias e empresas afectadas, para responder "ao choque" que o país viveu na sequência dos incêndios dos últimos meses.
Incêndios: PSD quer isenções fiscais para famílias e empresas para responder ao "choque" do país
Ricardo Almeida
Lusa 26 de outubro de 2017 às 18:50
Em conferência de imprensa, o líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, remeteu para a próxima semana a entrega na Assembleia da República dos projectos-lei e de resolução do partido em três áreas: protecção civil e combate aos incêndios, auxílio às famílias e empresas afectadas e reflorestação.

Hugo Soares escusou-se a comentar as notícias de hoje, que dão conta de que o Governo terá ficado "chocado" com a comunicação do Presidente da República ao país sobre os incêndios, dizendo que as propostas apresentadas pelo PSD visam "responder ao choque que todo o país viveu".

"Aquilo que é a conversa entre primeiro-ministro e o Governo e o Presidente da República deve ficar entre eles, ao PSD cabe apresentar as soluções que entende necessárias", defendeu.

Além de medidas já enunciadas pelo presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, na semana passada, como a consagração legal de uma Unidade Militar de Emergência ou a criação de concursos para os dirigentes da Protecção Civil, o PSD pretende isentar, durante um ano de forma total e outros dois de forma parcial, as empresas que arderam de contribuições para a Segurança Social.

Os sociais-democratas querem ainda, entre outras medidas fiscais, a isenção do pagamento de IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) em 2017 e 2018 para as habitações, edifícios comerciais, industriais e de serviços, bem como prédios rústicos afectos à actividade agrícola económica que foram afectados pelos incêndios.

Sem quantificar o impacto orçamental dos diplomas, Hugo Soares garantiu que o partido "não se irá esconder em lógicas contabilísticas" e mostrou-se disponível para apresentar ou apoiar medidas de alteração ao Orçamento do Estado para 2018 na especialidade.

"Estamos disponíveis com o Governo e demais partidos a encontrar as soluções necessárias para se fazerem as contas para que todas as medidas que são necessárias de apoio às famílias e às empresas não possam agravar o défice nem possam prejudicar as famílias", disse.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
É aproveitar, que a maré está de feição Há 3 semanas

Depois de tudo passar alguém perguntará onde se gastou tanto milhão. Com os verdadeiros prejudicados não foi de certeza. Enfim ! mais do mesmo, a diferença é um novo personagem. Mais evoluído politicamente, mais sofisticado na encenação, de longe mais palrador que o outro, mas com as mesmas intençõe

Luis Há 3 semanas

Uma excelente medida, só isenções fiscais salvam o interior do deserto.

Saber mais e Alertas
pub