Conjuntura Indicador avançado da OCDE para Portugal cai após dois anos a subir

Indicador avançado da OCDE para Portugal cai após dois anos a subir

O indicador da OCDE recuou para Portugal, mas também para Alemanha, sugerindo que as economias estão a abrandar o seu ritmo de crescimento.
Indicador avançado da OCDE para Portugal cai após dois anos a subir
Miguel Baltazar/Negócios
Eva Gaspar 11 de agosto de 2014 às 13:47

O indicador compósito avançado da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), concebido para antecipar em seis a nove meses pontos de viragem na actividade económica em relação à tendência, recuou pelo segundo mês consecutivo para Portugal.

 

O indicador desceu de 102,1 pontos em Maio para 101,9 em Junho, após ter atingindo o máximo de 102,3 pontos nos dois meses imediatamente anteriores, mantendo-se, ainda assim, acima da média de longo prazo (100 pontos) que define a tendência. Esta evolução sugere uma ligeira degradação das perspectivas económicas, após um longo ciclo de subidas mensais iniciado em Junho de 2012, que sinalizou a saída da economia portuguesa recessão, que acabou por ocorrer no segundo trimestre de 2013, pondo termo a dois anos e meio de contracção em cadeia do PIB.

 

A economia portuguesa voltou a "tropeçar" nos primeiros três meses deste ano, ao contrair 0,6% face aos três meses anteriores, tendo embora crescido 1,3% na comparação homóloga (com o mesmo período do ano passado). A primeira estimativa do INE sobre o comportamento da economia no segundo trimestre será divulgada nesta quinta-feira, 14 de Agosto. A maioria dos economistas espera um crescimento face ao trimestre anterior, oscilando as previsões entre 0,2% e 0,8%.

 

Em relação à Zona Euro, o indicador avançado da OCDE manteve-se em 101 pontos em Junho, tendo sido registadas subidas em Espanha e em França, dois grandes parceiros comerciais de Portugal. Contudo, o indicador especifico para a Alemanha recuou ligeiramente, de 100,4 para 100,2 pontos, sugerindo que o motor da economia europeia tenderá a esfriar, como admitem as autoridades alemães.

 

A causa próxima desta desaceleração residirá nas sanções comerciais que se intensificaram sobre a Rússia, o maior parceiro comercial europeu da Alemanha. O Bundesbank já admitiu uma estagnação da economia alemã no segundo trimestre devido ao reforço das sanções sobre o Kremlin decretado após o avião da Malasya Airlines com 298 passageiros e tripulantes ter sido abatido em meados de Julho em território ucraniano, alegadamente por milícias pró-russas.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Abutre 11.08.2014

Aguardo com ansiedade as reações do 1º ministro, ministros das finanças e economia. Já agora vejamos quais os nºs do INE. Mas este governo quer enganar quem ???....Convido os srs ministros a sair à rua e contactar com o cidadão comum e aí ficarão a saber o sentir da sociedade em relação ao governo.

comentários mais recentes
Anónimo 12.08.2014

Atendendo a que estamos em deflação, não vejo onde está a notícia.

Já agora, quero agradecer ao BCE, na pessoa de Mário Draghi, e à senhora Merkel, DDTA (dona disto tudo e arredores), a situação catastrófica em que nos meteram (não quiseram acompanhar os US, Canada, New Zeland, Japão, Reino Unido, etc na compra de ativos QE para desvalorizar a moeda e acabaram por nos empurrar para um buraco do qual teremos muita dificuldade em sair). Os países referidos então todos a crescer a olhos vistos e nós ainda estamos na fase descendente da curva. Bem hajam!!!

Anónimo 11.08.2014

com os nazis psd e cds no poder nem depois da economia ter batido no fundo ela sobe...vao os restinhos todos para os amigos do regime nazi...continuem mansos e parolos tuguinhas

flavito 11.08.2014

A culpa é, obviamente, do Sócrates. O PASSAS é inimputável, na medida em que o programa de desintoxicação correu mal.

Anónimo 11.08.2014

Quando toda a economia pagar a mafiagem feita com o BES e o Novo Banco ai é que vai dar um grande pulo....para o abismo

ver mais comentários
pub