Conjuntura Indicador da OCDE para a economia portuguesa desce pelo segundo mês

Indicador da OCDE para a economia portuguesa desce pelo segundo mês

Depois de oito meses consecutivos de crescimento, o indicador da OCDE para a economia portuguesa desceu pelo segundo mês em Outubro.
Indicador da OCDE para a economia portuguesa desce pelo segundo mês
Nuno Carregueiro 11 de dezembro de 2017 às 13:30

Indicador Compósito Avançado da OCDE para Portugal desceu em Outubro pelo segundo mês consecutivo, apontando para um abrandamento da economia nacional na primeira metade do próximo ano.

 

O índice situou-se em Outubro nos 100,6 pontos, depois de em Setembro ter descido face ao máximo de quase quatro anos fixado em Agosto. A OCDE reviu em baixa os valores dos últimos meses, pois antes apontava para uma subida em Setembro.

 

Os valores revistos mostram que em Outubro verificou-se a segunda queda consecutiva, que surge depois de oito meses sempre em alta.

 

Esta evolução aponta para crescimento menos forte na economia portuguesa em 2018, o que está em linha com as mais recentes estimativas para a economia portuguesa.

 

Ainda hoje a agência Bloomberg publicou dados de uma sondagem efectuada junto de 23 economistas que aponta para um crescimento de 2% no PIB português em 2018, contra 2,6% este ano. Apesar da perspectiva de abrandamento, os economistas reviram as suas projecções para a economia portuguesa em alta.  

 

No que diz respeito ao indicador global para todas as economias da OCDE, o indicador avançado aponta para a manutenção de um bom ritmo de crescimento.

 

O crescimento deverá estabilizar nos Estados Unidos, Japão, Canadá e Zona Euro como um todo, e a acelerar na Itália e na Alemanha. Em sentido inverso o "outlook" do Reino Unido continua a deteriorar-se, "com sinais mais fortes de abrandamento do crescimento.

 

 

O Indicador Compósito Avançado da OCDE é actualizado todos os meses, tendo sido concebido para detectar precocemente sinais de pontos de viragem nos ciclos económicos, com uma antecipação entre seis a nove meses. Quando ele desce mas ainda está acima de 100 (valor que representa a tendência dos últimos tempos), a OCDE considera estar-se perante um provável cenário de desaceleração; quando a tendência é crescente aponta para uma aceleração do PIB.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub